Arquivos do Blog

John Carter entre Dois Mundos

Pois é, já se foram 100 anos. Em 2012 um grande ciclo se completa para o clássico personagem de ficção científica John Carter que apareceu pela primeira vez em publicações pulp saído da mente do escritor Edgar Rice Burroughs, mais conhecido por também ser o pai de outro personagem icônico, o Tarzan. Mas quem diabos já ouviu falar em John Carter? Bom, eu aposto que muita gente não. O primeiro livro do personagem se chama John Carter e a Princesa de Marte e faz parte da coleção de ficção científica intitulada Barsoon, nome do planeta Marte nas histórias de Burroughs. Ao total o autor escreveu 12 romances protagonizados pelo personagem.

Em 1931, Bob Clampton procurou Burroughs para adaptar seus livros sob a marca da MGM. O autor aceitou e o processo de um filme animado teve início, já que fazer um live-action na época sobre a obra de Burroughs era algo inviável, pelo menos nesse mundol. Porém, com as críticas das sessões teste de exibição, a MGM decidiu que o projeto não teria lucro algum e mandou Clampton produzir uma série animada do Tarzan. Para desgosto de Clampton a Universal Studios lançou em 1936 uma série animada de Flash Gordon que teve um estrondoso sucesso nos Estados Unidos. Nos anos 70 o neto de Edgar Rice Burroughs achou entre as coisas do avô material do filme produzido por Clampton que nunca fora usado. Se tivesse sido lançado o filme de John Carter teria sido o primeiro filme animado do mundo no lugar de Branca de Neve e os Sete Anões de Walt Disney em 1937.

Durante esse um século de existência o herói de Burroughs já foi adaptado para as telas inúmeras vezes, mas foi em 2007 que a Disney anunciou que faria a sua própria versão das história do herói, coisa que pretendia fazer há anos, desde lá da década de 1980 quando o diretor John McTiernan havia sido escolhido para dirigir mais esta adaptação e Tom Cruise encarnaria o personagem, porém a precariedade de tecnicas visuais da época desanimaram o diretor que pulou fora do projeto que foi esquecido. A validade de compra dos direitos expirou e a Disney perdeu os direitos sobre o material que foi parar nas mãos da Paramount e teve ligados ao projeto nomes como Robert Rodriguez e Jon Favreau. Depois de muita água correr entre esses mundos a Disney conseguiu novamente os direitos sobre o personagem e o entregou para a Pixar.

A nova adaptação do romance teve seu título modificada para soar mais sutíl aos ouvidos daqueles que nunca haviam sequer ouvido falar no personagem. Em inglês o título é pura e simplesmente, John Carter, no Brasil porém recebeu o nome de John Carter entre Dois Mundos.

Na trama, John Carter, ex-capitão do Exército Confederado dos Estados Unidos está à procura de ouro em territótio Apache. Após ser preso pelo coronel Powell ao se recusar em ajudar seus conterrâneos americanos na batalha contra os indígenas, Carter consegue fugir mas é pego em um tiroteio entre os nativos e os caras pálidas. Na tentativa de fugir acaba encontrando em uma caverna um estranho medalhão que o leva para outro planeta, adivinha qual!

Após despertar em Marte, Carter é aprisionado por Tars Tarkas, líder de um povo chamado Tharks. No planeta Carter descobre devia a diferença de sua densidade corpórea e a gravidade de Marte que tem a habilidade de dar pulos de incontáveis metros e ainda detém uma força sobre-humana, algo que Carter descobre ser muito útil quando descobre que caiu em meio a uma guerra milenar pela sobrevivência de Barsoon.

Carter luta pela sobrevivência contra dois macacos albinos

A princípio lutando somente por si, Carter acaba aos poucos se apaixonando pela princesa da cidade de Helium, a mesma princesa que dá nome ao título do romance original de Burroughs. A princesa, Dejah Thoris está de casamento marcado com Sab Than, príncipe de Zodanga que massacra Helium com seu exército. O casamento na verdade serve como um cessar fogo para a guerra. Além disso Carter tem de lutar contra a indecisão de regressar para a Terra ou permanecer no planeta vermelho ao lado da mulher que ama.

John Carter e Dejah Thoris

Produção grandiosa rica em efeitos especiais, John Carte entre Dois Mundos não apresenta uma história original, o que é realmente original é a forma como ela nos é contada. O diretor Andrew Staton trabalhou duro ao lado dos roteiristas Mark Andrews e Michael Chabon para que cada página do roteiro fosse indispensável para o filme de mais de duas horas e meia de duração.

Apesar de ser rotulado como ficção científica esta só serve mesmo é de pano de fundo para uma clássica história de romance e tragédia com um protagonista altruísta mas despedadaçado emocionalmente, uma beldade audaciosa de sangue nobre e um vilão tão sádico quanto ganacioso. No caso o vilão Sab Than é vivido por Dominic West. O canadense Taylor Kitsch encabeça o elenco ao lado de Lynn Collins, ambos trabalharam no incrível X-Men Origens: Wolverine de 2009. Aqui, Collins se parece muito mais com a personagem que desempenhou no filme do carcaju. Mês que vem Kitsch também poderá ser visto ao lado da cantora Rihanna em Battleship, adaptação do clássico jogo Batalha Naval. Willen Dafoe, Mark Strong, Ciáran Hinds e Samantha Morton fecham o elenco de astros do filme.

Com um custo na casa dos US$250 milhões, John Carter entre Dois Mundos já tem sua continuação nos planos da Disney, a adaptação do segundo livro do personagem, The Gods of Mars, cujo título provisório adotado pelo estúdio é John Carter: The Gods of Mars. O plano da Disney é fazer uma trilogia com o personagem de Edgar Rice Burroughs.

John Carter entre Dois Mundos é sem dúvida um dos maiores filmes do ano. Na verdade ele é mais do que isso. É mais porque parece ser algo vindo de outro planeta e que jamais havia sido descoberto. Esse estranho sentimento de que o nosso futuro pode estar guardado em nosso passado e nem desconfiamos disso é algo estranho mas muito mais inspirador e que consegue acalentar nossas mentes e por quê não, nossos espíritos?

Trailer

Uncharted 3: Drake’s Deception

Desde sempre, ou quase sempre, a humanidade foi ávida para desbravar o desconhecido e mergulhar no inexplorado, nem sempre para se obter o conhecimento de outras civilizações e culturas mas muitas vezes apenas pela sede de aventura, pela paixão de ousar. De Marco Polo a Cristóvão Colombo o mundo nunca foi tão vasto e ao mesmo tempo tão pequeno para se descobrir tesouros, desmitificar lendas como El Dorado e descobrir novos mundos. Na ficção o caso é o mesmo desde Allan Quartermain no século XIX em As Minas do rei Salomão de H. Ridder Haggard, Doc Savage em pubicações pulp dos anos 30 e 40 até Indiana Jones e Tomb Raider, o gênero “caça ao tesouro” sempre foi motivo de fascínio para o público, seja ele feito de amantes da literatura, dos quadrinhos, entusiastas do cinema a gamers vorazes.

Com o terceiro filme de Indiana Jones lançado em 1989 e as aventuras já entediantes e nada originais de Lara Croft era preciso um novo herói para representar o gênero, eis que em 2007 fomos apresentados a Nathan Drake, protagonista de Uncharted: Drake’s Fortune, título exclusivo para PlayStation 3 que revolucionou tudo o que já sbíamos sobre o gênero, nos dando um personagem contemporâneo que não era nenhum professor de arqueologia, milionária ou rato de biblioteca. Drake é um cara comum como eu e você mas sempre metido em situações incomuns. Acumulando prêmios e o fãs ao redor do mundo a série da Naughty Dog acaba de ganhar o seu terceiro capítulo, Uncharted 3: Drake’s Deception, tendo sempre como seu maior trunfo nunca se levar tão a sério, a ponto de tranformar o inacreditável em algo plausível.

Em Drake’s Deception a trama começa de modo muito diferente dos games anteriores, dessa vez com Nate e Sully limpos e elegantemente vestidos em ternos em um típico pub londrino onde Nate se encontra com um homem chamado Talbot para vender o seu anel de estimação que pertencera quatrocentos anos atrás a seu antepassado, Sir Francis Drake. Após acusar Talbot de tentar comprar o anel com dinheiro falso as coisas saem de controle e uma violenta e típica briga de bar começa até que a dupla consegue sair para se depararem com Katherine Marlowe, que há vinte anos perdera o anel para Nathan e que é a contratante de Talbot. Marlowe pega o anel de Drake e foge.

Nathan e Suly vão atrás da vilã que descobre que o anel que apanhou de Nathan era uma réplica. Marlowe possui um decodificador cujo anel é a chave mas que se mostra inútil com a peça falsa. Nathan toma posse do decodificador e descobre que Sir Francis estava em busca da cidade perdida de Ubar, ou como se referia o famoso arqueólogo T. E. Lawrence, Atlândida das Areias, oculta em algum ponto do deserto de Rub’ al-Khali. Munido de um mapa de Sir Francis e de anotações de Lawrence, Nathan e seus companheiros tem de encontrar a tal cidade perdida antes de Marlowe e Talbot, cidade esta que devido a sua arrogância sucumbiu às areias pela ira de Deus.

Drake no deserto de Rub’ al-Khali

A história escrita por Amy Hennig traz de volta a mesma a fórmula usada nas duas últimas aventuras de Nathan Drake: figuras históricas, segredos milenares, civilizações perdidas e muita correria e situações impossíveis, ou quase. De diferente e talvez um tanto incômodo para os fãs mais perfeccionistas sejam os retoques dados pelos programadores as feições de alguns personagens, como é o caso de Elena e Chloe na tentativa de suavizar seus rostos, mas que na verdade acabaram deixando ambas menos carismáticas que nos jogos passados tornando-as menos atraente aos jogadores. Atraentes como pessoas eu quero dizer, antes que algum engraçadinho me leve a mal, fazendo com que trabalhemos  novamente o denso relacionamento já desenvolvido com elas nos jogos passados. Tá bom, pode parecer besteira, mas é nisso o que Uncharted se resume, em desenvolver uma relação com o jogador para que ele não se esqueça jamais das aventuras de Nathan Drake. Na verdade é nisto que qualquer jogo devia devia se basear… bom, também não vou virar um piegas e tentar transformar a franquia em um sitcom mela cueca como queria fazer o diretor David O. Russell quando estava vinculado à adaptação da série para o cinema.

Elena Fisher em Uncharted 2: Among Thieves

Elena Fisher em Uncharted 3: Drake’s Deception

Cada detalhe em Uncharted 3 é motivo para se parar a jogatina e ficar contemplando cada pedacinho de parede, cada raio de sol que atravessa as copas dos arvoredos, cada flor oscilante ao toque do vento, as gotas de chuva que despencam de uma calha ou os grãos de areia que se prendem aos cabelos de Nate, tudo feito com um realismo e capricho que também se estende aos movimentos incrivelmente humanos de Drake que continuam a impressionar, como quando chegamos perto de uma parede e o personagem se apoia nela com as mãos ou como enxuga da testa o suor com os dedos e até mesmo os diversos jeitos que corre dependendo do estado físico ou emocional em que se encontra, relaxado, cansado, em perigo ou mesmo com medo. Cada gesto de Drake e como ele interage com o ambiente ao seu redor tornam o jogo uma experiência diferente de qualquer outro produto do gênero já feito, pois mesmo em total estado de repouso a movimentação é constante, como a vida em si, que é o maior objetivo dos games hoje em dia, parecer o mais vivo e real possível e Uncharted, não apenas este capítulo da série mas os anteriores também são os jogos mais “orgânicos” já realizados.

Talvez tanta “vida” assim acabe por prejudicar, porém muito pouco, o game. Em certos momentos a movimentação excessivamente realista de Drake pode fazer o choque de um salto contra uma beirada parecer descompassado, à medida que a movimentação de ambiente e personagem as vezes requerem um novo movimento de Drake, mesmo que mínimo, que não ocorre, como por exemplo pular em direção a uma plataforma que está caindo para se lançar em direção a outra, o jogador verá que a mão de Drake mesmo que alinhada a plataforma não o está com a superfície na qual se agarrou, o que pode vir a gerar um pequeno glimpse, onde sem mais nem menos a posição do personagem se modifica para se adaptar a superfície. A única diferença de Uncharted 3 em termos de jogabilidade para com seus antecessores é o novo sistema de combate corpo a corpo pegado emprestado de Batman Arkham City, possibilitando que Drake possa lutar com mais de um oponente ao mesmo tempo e ainda arremeçar de volta granadas atiradas pelos inimigos.

No quesito dublagem, responsável por grande parte do sucesso da franquia, falas e captura de movimentos mais uma vez foram realizadas por Nolan North, Richard McGonagle, Emily Rose e Claudia Black, tornando o jogo ainda mais realista do que o método comumente usado de se gravar as falas separadas da captura de movimentos, não que tal processo não seja usado para falas adcionais. Grande novidade é que o game também apresenta uma dublagem em português brasileiro que não deixa nada a desejar, com destaque para a voz de Sully que é a mais parecida com a versão original. Uma primeira versão foi recusada pela Naughty Dog onde muitos iriam reconhecer a voz de Nathan como sendo de Ricardo Schnetzer e a de Sully como de Mauro Ramos. Apesar de a versão final do jogo ter uma boa dublagem fica evidente que a versão rejeitada pela Naughty Dog estava em um nível superior, sendo um daqueles aspectos que nos faz sentir confortáveis ao lado dos personagens. A versão que está no jogo foi feito em Miami enquanto que a rejeitada foi feita aqui no Brasil. Além de Nicolas Cage, Ricardo Schnetzer é conhecido por dar voz a Al Pacino, Tom Cruise e Richard Gere e Mauro Ramos, Pumba, personagem do Rei Leão e o Coisa nos 2 filmes doQuarteto Fantástico e Mumm-Ra na nova versão de Thundercats ainda por ser exibida no Brasil. No desenho dos anos 80 Mumm-Ra era dublado por Silvio Navas.

Uncharted 3: Drake’s Deception é um jogo excelente que não pode faltar na coleção do gamer apaixonado por uma boa aventura à la Indiana Jones mas sem o chapéu e o chicote. Agora que você acabou de ler saia da frente do PC e vá salvar o mundo na pele do mais improvável dos heróis.

Dublagem final

Dublagem rejeitada

Missão Impossível: Protocolo Fantasma

Quando fiquei sabendo que um novo Missão Impossível estava sendo rodado eu não me estusiasmei muito mesmo sendo um grande fã da franquia. Ultimamente tudo que temos visto são continuações e adaptações que vivem saturando as salas de cinema e que acabam querendo ou não perdendo um pouco do encanto que os blockbusters milionários devem ter. Eis que assisti ao filme.

Missão Impossível: Protocolo Fantasma, quarto filme da franquia de espionagem começa com Ethan Hunt novamente na pele de Tom Cruise sendo resgatado de uma prisão russa pela agente Carter e Benji, respectivamente interpretados por Paula Patton e Simon Pegg. Após a fuga Hunt e sua equipe recebem a missão de se infiltrarem no Kremlin e recuperarem arquivos que identicam o homem simplesmente conhecido como “Cobalto”. Porém a missão dá errado e a explosão de uma bomba leva o Kremlin ao chão. Sem apoio Hunt e seus companheiros são considerados culpados pelo ataque e o presidente americano inicia o chamado Protocolo Fantasma, desativando a IMF.

Sem nenhum apoio Hunt e sua equipe que passa a contar com a presença de William Brandt (Jeremy Renner) viajam para Dubai no encalço de Kurt Hendricks, estrategista nuclear que acredita que a raça humana deva passar por uma seleção  para que assim os fracos sejam separados dos fortes e a humanidade posso assim se livrar do seu crescente estágio de decadência. Hendricks na verdade é Cobalto e intenta iniciar um ataque nuclear com códigos roubados e dar início a Terceira Guerra Mundial.

Depois da incrível cena de alpinismo e rapel improvisado no prédio mais alto do mundo, o Burj Khalifa, Missão Impossível: Protocolo Fanstasma se torna uma correria desenfreada, literalmente, ao redor do mundo para que Ethan Hunt posso impedir o fim do mundo e limpar seu nome e o de seus companheiros.

O diretor Brad Bird  fez uso de um recurso ainda não muito em voga atualmente em filmes do gênero que é não se levar a sério. Em meio a cenas espetaculares de ação o diretor além de jogar piadinhas para a platéia faz piada com elementos clássicos da própria franquia e exagera no uso de bugigangas que até o próprio James Bond ficaria com inveja. Além disso o filme guarda muitas surpresas que vão agradar imensamente aos fãs mais assíduos. São esses pequenos toques de consideração para quem acompanha a cine série desde o início que o filme se torna tão especial, como se tivesse sido feito especialmente para nós. Não falta nada, está tudo na tela. Se o Chico Louco desse estrelas para os filmes que analisa, Missão Impossível: Protocolo Fantasma sem qualquer sombra de dúvidas receberia 5 estrelas.

Trailer

Trailer: Missão: Impossível 4 – Protocolo Fantasma

Na nova aventura de Ethan Hunt o espião tem de se tornar um agente renegado e desmascarar os culpados por trás do atentado terrorista que pôs o Kremlin abaixo. Para piorar a situação Hunt e sua equipe são considerados culpados pelo ataque além de terem que confiar em alguém nada confiável que conhece o passado de Ethan melhor do que qualquer um.

Com estreia marcada para 14 de dezembro Missão: Impossível 4 – Protocolo Fantasma ganha mais um trailer com novos detalhes sobre a trama.

Trailer:

Missão: Impossível 4 – Protocolo Fantasma

 

Vaza na rede trailer de Missão Impossível 4

A quarta parte da cinessérie Missão Impossível inspirada na série de TV homônima dos anos 70 vem sendo aguardado ansiosamente pelos fãs desde o dia em que a produção foi anunciada. O filme intitulado Missão Impossível 4: Protocolo Fantasma tem estreia marcada para o dia 16 de dezembro deste ano, mas até agora pouco havia sido revelado sobre o filme, e a mais quente das novidades veio direto da França.

O trailer em francês da nova aventura de Ethan Hunt foi filmado clandestinamente em um cinema e colocado na internet. Claro que a Paramount não gostou nada e para o nosso azar já tirou o vídeo do ar do nosso tão adorado Youtube mas…

No trailer vemos Tom Cruise em cenas espetaculares típicas da série. Dessa vez ele escala, dispensando dublês como de costume, o mais alto prédio do mundo, o Burj Khalifa, em Dubai.Nas imagens  Cruise aparece de cabelos mais longos o que nos remete ao segundo filme de 2000 que apresentava cenas impressionantes de ação, caminho que parece ter sido o escolhido para o novo filme. No vídeo também somos apresentados a Jeremy Renner que à partir do próximo filme deve assumir a franquia no lugar de Cruise. No elenco também estão Ving Rhames, Simon Pegg, Paula Patton e Josh Holloway. A direção é de Brad Bird e o roteiro de J. J. Abrams em parceria com André Nemec e Josh Appelbaum.

 

Agora é oficial, a Paramount disponibilizou o trailer de Missão Impossível 4: Protocolo Fantasma.

O vôo do morcego

 

Foi em 1939 que a criação de Bob Kane e Bill Finger surgiu na revista de histórias em quadrinhos Detective Comics. Batman, o homem-morcego apareceu para bater de frente com outro super-héroi de uma publicação concorrente, o Superman da Action Comics, tanto que muitas semelhanças entre os dois vigilantes podem ser notadas até os dias de hoje como no figurino bicolor onde ambos tem seus símbolos costurados sobre o peito, vestem uma cueca da cor da capa sobre a calça, cinto amarelo e botas de cano alto além do fato de ambos terem sua própria cidade ficcional.

A primeira vez que Batman, alter-ego do bilionário Bruce Wayne(na época em que surgiu era milionário) apareceu foi na cidade de Nova York lutando contra o crime com assas de pano no lugar da capa e orelhas curvas e não retas como se tornariam mais tarde. Depois o herói iria combater nazistas na Segunda Guerra Mundial. Quando pequeno o jovem Bruce perdeu os pais durante um assalto nos becos da violenta cidade de Gothan após os três saírem de um espetáculo teatral. Atormentado e podendo contar somente com o apoio de seu mordomo Alfred Pennyworth o rapaz cresceu determinado a enfrentar os demônio de seu passado e se rebelar contra a tirania da cidade gótica.

Os mais marcantes artistas que já tiveram o privilégio de desenhar o herói além de Bob Kane que não tinha um traço tão bom assim foram Frank Miller e Jim Lee. Foi o carrancudo Miller quem trouxe os quadrinhos de Batman de volta à vida nos anos 80 com a sua obra intitulada simplesmente O Retorno do Cavaleiro das Trevas que mostrava um Batman de meia idade mais sombrio e brutal do que nunca, mas não se enganem, apesar da história de Miller ser insuperável seu traço do herói é deplorável. Foi com Jim Lee que Batman ganhou o século XXI nas revistas em quadrinhos. Os desenhos cheios de detalhes e impecáveis de Lee alavancaram o herói como só havia acontecido antes com Miller.


Batman de Jim Lee


Batman tem uma vasta coleção de inimigos, entre eles o sádico Coringa, também conhecido no submundo como o Palhaço do Crime cuja verdadeira identidade continua sendo um dos maiores mistérios de toda a mitologia do super-herói até hoje. Entre os mais conhecidos vilões do Cavaleiro das Trevas estão o sagaz Charada, o disforme Duas-Caras, a excêntrica Arlequina, namorada do Coringa, a mortífera Hera Venenosa, o “esquentadinho” sr. Gelo e o falante e aristocrático Pinguim além da bela e escorregadia Mulher-Gato com quem o heroí mantém um eterno caso de amor e ódio.

Entre seus principais aliados Batman conta com o mordomo Alfred, o menino prodígio Robin, identidade secreta de Dick Greyson, o comissário de polícia James Gordon e sua filha Barbara, vulgo Batgirl, nas horas vagas.

O universo de Batman já sofreu tantas, mas tantas mudanças desde que surgiu nos anos 30 que se é quase impossível estabelecer uma linha cronológica exata que não seja tão exagerada quanto um desfile de escola de samba. Então a única parte conhecida universalmente e que é imutável é a origem e as motivações do herói.

Com o passar dos anos Batman já teve bonecos, kits vendidos com máscaras e batarangs, inúmeros desenhos animados, integrou a Liga das justiça, teve um bem sucedido seriado nos anos 60, filmes derivados do tal seriado que rendeu até um filme solo da Mulher-Gato e muitas outras imersões em mídias diversas.

Um dos aspectos mais perturbadores sobre Batman são as piadinhas feitas sobre sua sexualidade. Como o herói não possui um par romântico definido em suas histórias como acontece com Superman e Lois Lane e ainda por cima o bilionário Bruce Wayne mora com um menino orfão, o Robin, Batman é chamado até hoje de pedófilo e homossexual pelos que se acham mais engraçadinhos. Porém há um lado positivo. Enquanto Superman/Clark Kent batalha para conseguir manter um relacionamento sério  e pacífico com Lois, o homem-morcego já conquistou inúmeras beldades.

Batman e Robin em paródia “animada” gay


Mas foi somente em 1989 que um filme verdadeiramente hollywoodiano e fiel ao universo sombrio e melancólico do personagem apareceu moldado pelas mãos e a mente excêntrica de Tim Burton. Michael Keaton desempenhou o papel do Cavaleiro das Trevas e ninguém mais do que Jack Nicholson interpretou o arquinimigo do morcegão, o Coringa. Como interesse romântico do herói um personagem que não saiu dos quadrinhos foi posto no filme, o de uma jornalista que corria atrás de notícias sobre o Batman e de seu alter ego Bruce Wayne e foi encarnada por Kim Bassinger.

O filme fez um sucesso estrondoso e gerou uma continuação ainda melhor três anos depois, Batman – O Retorno, dessa vez tendo como vilões a Mulher-Gato inpecavelmente interpretada por Michelle Pfeiffer e o Pinguim na pele do impagável Danny De Vito. Papel esse que caiu como uma luva para o ator.

De Vito como Pinguim


Os dois filmes vinham para se juntar aos dois primeiros filmes de Superman das décadas de 70 e 80 que já haviam mostrado que filmes de super-hérois era algo possível e incrivelmente rentável. Batman estava em alta como jamais estivera antes e mais um filme foi feito em 1995, mas não era difícil perceber que havia algo um tanto diferente.

No filme Batman Eternamente a cadeira do diretor deixou de ser de Burton que serviu ao projeto somente como produtor e passou para Joel Schumacher e Micahel Keaton foi substituído pelo insípido Val Kilmer. Com o sucesso das películas anteriores uma gama de artistas de peso foi trazido para o novo filme. A beleza hipnotizante de Nicole Kidman deixou o herói babando pela psiquiatra Chase Meridian, personagem da atriz e par romântico de Batman que tentava analisar o seu interior perturbado. Jim Carrey e Tommy Lee Jones incorporaram respectivamente os vilões Charada e Duas-Caras dando continuidade à linha que se estabelecera no filme anterior de apresentar dois algozes para o Cavaleiro das Trevas. Uma recém reestabelecida Drew Berrymore servia de uma das namoradinhas do ex-promotor pirado Harvey Dent(Duas-Caras) e pela primeira vez o menino prodígio deu as caras na pele de Chris Odonnell.

O que havia de incomum no filme era o tom que ele estabelecia. Enquanto nos filmes passados a atmosfera gótica e depressiva que misturava armonicamente cenários contemporâneos com cenários dos anos 30 parecendo ser um filme que se passava realmente na época em que surgiu o personagem foi abandonada e toda modernizada e o uso de cores extravagantes deixou o filme com uma cara pesada e enjoativa, lembrando um pouco o seriado dos anos 60 de um jeito ruim.

Mais um filme foi lançado em 1997 desta vez com George Clooney, recém saído da série ER e Chris Odonnell nos papéisl título de Batman & Robin. Schumacher mais uma vez foi o diretor, novamente houve dois vilões, Sr. Gelo e Hera Venenosa e Schumacher repetiu o mesmo erro.

Apesar do colorido exagerado do filme de 1995 ter sido bem sucedido nas bilheterias, Batman & Robin teve um roteiro tão ruim que a maior expectativa de quem assistiu o filme nos cinemas era a hora em que as luzes se acenderiam para que eles pudessem enxergar o caminho de volta. A interpretação de Clooney conseguiu ser pior que a de Kilmer e a incersão de Batgirl interpretada por Alicia Silverstone que despontara dois anos antes em As Patricinhas de Beverly Hills e a do vilão Bane, coadjuvante e estranhamente esverdeado e burro como uma porta, nada fiel à figura dos quadrinhos foi decepcionante. Talvez se no lugar de Silverstone sua companheira em As Patricinhas de Beverly Hills, a atriz Stacey Dash tivesse interpretado o papel da heroína mascarada o desempenho poderia ter sido bem melhor.

o trio “escadinha” de Batman & Robin


a deslumbrante Stacey Dash


Ao todo o filme era maçante e apresentava um festival de cores ainda maior que o anterior, Batman ganhou mamilos, os veículos e as gadgets mais se pareciam com brinquedos de criança que gostam de ver luzes que piscam. Nem mesmo a boa interpretação de Arnold Schwarzenegger e Uma Thurman como os vilões salvou o filme, a roupa de super-vilão do sr. Gelo causava mais risadas de pena do que pavor. Em resumo, o personagem que se saiu melhor em todos os aspectos foi a de Hera Venenosa, incrivelmente sexy na pele de Uma Thurman.

Uma Thurman e Arnold Schwarzenegger


Conclusão: Schumacher conseguiu de vez tirar toda a essência do herói junto com o respeito que ele havia conseguido em décadas, sem falar em sua sagacidade e virilidade que também foram exterminadas. Batman estava de vez no limbo, enterrado para sempre no cemitério dos mais desastrosos do cinema.

Os filmes de super-heróis ficaram esquecidos e a vida continuou, para Batman nos quadrinhos e desenhos animadas e a única voz que se ouvia do homem-marcego não era a de nenhum astro famoso do cinema mas sim do ator pouco conhecido e dublador Kevin Conroy que emprestava sua voz guturral e trovejante para o cavaleiro das trevas em suas aventuras animadas para a televisão.

Foi nos anos 2000 que os quadrinhos invadiram de vez as telonas. Primeiro com X-Men que abriu as portas para que seus companheiros super poderosos mostrassem do que eram capazes. Em seguida veio o primeiro Homem-Aranha, uma continuação para os X-Men e uma segunda aventura do teioso. Com o gênero consolidado pelas duas maiores franquias da editora Marvel e um Quarteto Fantástico a caminho era hora de Batman ressurgir das trevas na qual estava esquecido, como na clássica história de Frank Miller.

Em meados de 2005 Batman Begins foi lançado. Tinha direção de Christopher Nolan que também assinou o roteiro ao lado de David Goyer. O sucesso da produção foi descomunal. Estava tudo lá, em um filme de quase três horas com um visual impecável e uma história tão densa que poderia ser verdade, tudo muito bem acompanhado por uma magnífica trilha de Hans Zimmer.

O galês Christian Bale assumiu o papel de Batman e deu um show de talento com sua interpretação intensa do personagem. À primeira vista Bale seria como Keaton, Kilmer e Clooney, ofuscado pelo próprio personagem, mas não foi o que aconteceu. Nas primeiras horas de filme nos concentramos somente em Bale e em como um quase inconsequente jovem Bruce Wayne luta contra si mesmo e se torna o mais temido dos vigilante, escorregadio como uma sombra e ao mesmo tempo invisível e presencial como o vento.

Contracenando com Bale estavam os veteranos Michael Caine e Morgan Freeman como Alfred e Lucius Fox, este último fazendo sua primeira aparição em um filme de Batman. Liam Neeson ficou com o papel de Ras’ al Gul e Cillian Murphy como o dr. Jonathan Crane, o Espantalho e a bonitinha Katie Holmes, mas nada mais do que isso fazia a advogada de promotoria Rachel Dawes e principal interesse romântico do herói.

Com o sucesso do filme uma continuação foi preparada e lançada em 2008. O tempo de duração era maior, a trama melhor e o retorno foi um dos maiores da história do cinema. O filme custou US$158 milhões e teve um lucro de mais de 1 bilhão de dólares! Nada comparado aos filmes de Schumacher dez anos antes.

Batman – O Cavaleiro das Trevas apresentava como vilão o Coringa, desta vez interpretado pelo já falecido Heath Ledger que transpirou talento na pele do maníaco, roubando a cena do herói como havia acontecido quase vinte anos antes quando o papel tinha sido encarnado por Jack Nicholson. O desempenho do ator foi tão impressionante que nem foi notado a falta do alívio cômico de sua companheira Arlequina. Ledger ganhou um Oscar póstumo por seu trabalho em O Cavaleiro das Trevas. Mas o Coringa não foi a única pedra na bota de Batman que ainda teve de lidar com a escorregadia máfia italiana liderada pelo personagem clássico de Salvatore Marone na pele de Erik Roberts e também com Duas-Caras. O interessante do última personagem mencionado é ver sua transformação de promotor idealista para homem com sede de vingança e finalmente para o imprevisível bipolar. Vendo o Duas-Caras de Aaron Eckhart um sentimento de vergonha alheia pela versão do personagem de Tommy Lee Jones em 1995 é inevitável.

Heath Ledger e Jack Nicholson como Coringa


File:Two-faceEckhart.jpg

Aaron Eckhart como Duas-Caras


Rachel Dawes voltou a aparecer desta vez com uma participação maior e mais significativa, a mudança foi a troca de atrizes, já que Maggie Gyllenhaal substituiu Katie Holmes. Depois do lançamento de Batman Begins o diretor Christopher Nolan disse que o casamento de Katie com Tom Cruise na época estava ofuscando a presença de seu filme e que ele não sabia se ela estaria no próximo filme. A troca não podia ser melhor. Apesar de uma atriz de certo modo lembrar a outra Maggie mostrou um jeito muito mais profundo e verdadeiramente comprometedor para com a interpretação da personagem, não lembrando em nada a performanse desinteressada da sra. Cruise. Outro fator que chamou atenção para a nova atriz foram suas feições, bonitas, mas de um modo pouco convencional, aniquilando totalmente a lembrança de que um dia o papel havia sido da insossa Katie Holmes.

The Dark Night Rises, terceira parte da trilogia idealizada por Nolan está em fase de pré-produção com as filmagens já agendadas para terem início em maio. A trama é mantida em segredo mas alguns dos personagens e atores que marcarão presença no filme já foram revelados. Além do grupo de personagens fixos de Bruce Wayne, Alfred e Lucius Fox as novas figurinhas a aparecer serão a Mulher-Gato, o vilão Bane e talvez Talia al Gul, filha do vilão do primeiro filme. Existiam rumores de que o papel de Talia ficasse com Eva Green que estava fazendo testes para o filme, mas recentemente foi anunciado que ela participará como protagonista na nova produção de Tim Burton chamada Dark Shadows, um remake de uma antiga série sobrenatural dos anos 60. A dúvida que fica é se com a agenda cheia para as filmagens com Burton a atriz teria tempo para se dedicar ao novo Batman, isso já descarta quase que completamente a atriz do projeto.

Outro astro já confirmado é o ator Tom Hardy que trabalhou com Nolan em A Origem no ano passado. Muito se especulou que o papel que Hardy interpretaria seria o vilão dr. Hugo Strange(adoro esse nome), isso porque o novo game do Batman que sai em novembro deste ano tem o personagem como antagonista principal. Comparações entre Hardy e Strange foram feitas principalmente por fotos do filme Bronson onde o ator apesar de interpretar a famoso prisioneiro Charles Bronson se parece muito com o vilão diretor do Asilo Arkhan, careca com um espesso bigode e fisicamente grande. Mas o papel do ator será o de Bane que não é um dos mais preferidos dos fãs de Batman. Resta saber como será a abordagem que Nolan dará ao personagem, se será mais fiel e inteligente como nos quadrinhos(lembre da versão de Schumacher) e como será seu visual, se seus músculos exageradamente desenvolvidos serão feitos com próteses, em CGI ou se Hardy terá de suar a camisa malhando como um louco para se tornar monstruosamente gigante até maio.

Tom Hardy à esquerda e Bane à direita

 

Mas ainda resta um outro personagem para se falar a respeito. A Mulher-Gato. Dessa vez a gatuna será vivida pela meiga de aparência etéria Anne Hathaway. Muitos aprovaram a escolha da atriz de imediato, enquanto outros nem tanto assim. Apesar de nada mais ter sido revelado o papel da personagem parece combinar de um modo bastante natural com a atriz.

montagem de Anne Hathaway como Mulher-Gato


Há poucos dias foi anunciado que o ator Joseph Gordon-Levitt também participará do filme, alguns apostam que seja como o charada, como haviam feito no filme anterior.

Mas com todas essas novidades existe o mesmo perigo dos filmes de décadas passadas. Batman pode acabar sendo ofuscado pelos outros personagens e isso não seria nada bom para os fãs que também nunca deixaram de protestar contra um aspecto dos filmes do homem-morcego. Batman sempre foi chamado de o maior detetive do mundo, mas essa característica nunca foi usada em nenhum dos filmes do herói.

Alguns ainda fazem piadas de mal gosto apostando na volta de Schumacher depois da saída de Nolan da franquia. Se isso acontecer os tais engraçadinhos ainda vão morder a língua até sangrar de arrependimento pela brincadeira infame.

Deixando de lado hollywood entramos no mundo dos games. Apesar de inúmeros títulos lançados para consoles Batman nunca fez grande sucesso. Em 2005 foi lançada uma adaptação fuleira de Batman Begins onde o único fator originale era o medidor que apontava o nível de medo dos inimigos.

Em 2008 foi anunciado um novo título porém este não seria uma adaptação do filme daquele ano. No final do agosto do ano seguinte Batman Arkhan Asylum foi lançado alcançando o título de melhor game do ano e obtendo nada menos do que 96% de aprovação das maiores revistas especialisadas no assunto. A trama girava ao redor de um motim dos prisioneiros do Arkhan liderados pelo Coringa.

A continuação chamada Batman Arkhan City mostra a disputa de poder entre Duas-Caras e Mulher-Gato na hierarquia do crime da cidade-presídio regida pelo dr. Hugo Strange que nos quadrinhos e também no game descobre a verdadeira identidade de Batman. Além desses ainda há a volta do Coringa e de Arlequina.

Sem dúvidas o universo de Batman sofreu inúmeras transformações através dos anos e com certeza continuará passar por muitas outras para que os fãs não se acomodem e claro não parem de comprar os produtos que levam a nome do cavaleiro das trevas. O que se espera no mínimo é que tais mudanças sejam positivas e não contribuam para arrastar o herói para o limbo dos esquecimento.

Michael Nyqvist e Noomi Rapace rumo à Hollywood

Depois da morte do escritor sueco Stieg Larsson em 2004 foram publicados suas três últimas obras, protagonizadas pelo repórter Mikael Blomkvist e que juntas formam a tão elogiada Trilogia Millenium. Em 2009 todos os três livros foram adaptados para as telonas pela produtora sueca Yellow Bird. Os filmes se tornaram um grande sucesso mundo a fora, rendendo até uma refilmagem hollywoodiana com Daniel Craig e Rooney Mara nos papéis principais de Blomkvist e Lisbeth Salander, uma haker de computadores. The Girl with the Dragon Tatoo, do original Os Homens que não Amavam as Mulheres, primeiro filme da trilogia, sairá no final do ano que vem. A versão original dos filmes foi estrelada pelas atores Michael Nyqvist e Noomi Rapace. Agora, com o sucesso conseguido pelos filmes os dois atores se preparam para fazer seu primeiro filme em língua inglesa. Nesta semana Nyqvist assinou para ser um dos vilões do novo Missão Impossível, estrelado por Tom Cruise. No último dia 11 a revista Entertainment Weekly divulgou que Noomi será a ficou com o papel da protagonista feminina do próximo filme de Sherlock Holmes, que apesar de ainda não ter sido confirmado acredita-se ser uma cigana francesa. Ambos os filmes tem estréia marcada para dezembro do ano que vem.