Arquivos do Blog

Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Existem momentos na vida em que sabemos que o fim é iminente e inevitável, como quando o diabo vem cobrar almas depois daqueles anos de fartura prometida. A vida é como um círculo de fogo, que queima, arde, mas que a gente gosta de sentir fervilhar sob a pele, mas que é finita.

Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge é exatamente a última parte desse círculo flamejante que se fecha, conclui não uma, mas várias vidas; ninguém entra, ninguém sai.

A terceira e última parte da trilogia de Christopher Nolan para o mais real dos heróis se inicia oito anos após os eventos do último filme, Batman – O Cavaleiro das Trevas, com o homem-morcego assumindo a culpa pela morte de Harvey Dent e daqueles que este matou ao “acaso”.

Desta vez, Batman tem de enfrentar Bane, que nesta versão pé no chão de Christopher Nolan não faz uso de veneno para se fortalecer e não saiu de um circo de horrores digno de dó como foi a versão miolo mole de Joel Schumacher, 15 anos atrás. Além de Bane, que mergulha a cidade gótica em anarquia para depois destruí-la, Batman tem de lidar com a presença de Selina Kyle, a mulher-Gato, que entra em sua vida de um modo digamos, muito pouco convencional e desperta uma chama há muito adormecida dentro do velho justiceiro alado.

A produção não pode ser considerada menos que monumental. Com quase três horas de duração e as sensações que desperta, tímidas no âmago de cada um não são simples de serem postas em palavras pois são extrememente individuais e sufocantes, como o desespero que queima o espírito com a vontade de viver.

A tensão se intensifica a cada minuto, pois sabemos, juntamente com Bruce Wayne que sua jornada está para se encerrar. O clima denso da narrativa nos prende na cadeira, mas o verdadeiro aperto que faz nossos pulmões queimarem a cada take de respiração prendida se dá pois sabemos que este é o último filme Nolan/Bale com o Cavaleiro das Trevas. Muitos cresceram vendo o morcego de Christopher Nolan brilhar nas telonas e agora o círculo se conclui; nós sabemos disso, Nolan sabe disso, e o pior, ou não; Bruce também sabe disso.

Em atuação não há muito o que dizer, já que os atores são alguns dos gigantes do Olimpo de Hollywood, e os que ainda não são, serão em breve. Além de Christian Bale, Michael Caine, Morgan Freeman e Gary Oldman, figurinhas carimbadas na Gotham de Nolan, os novatos da franquia são Anne Hathaway, Tom Hardy, Joseph Gordon-Levitt e Marion Cotillard.

Anne, como Mulher-Gato, não deixa dúvidas quanto a assumir o papel que se tornou ícone ao ser representado por Michelle Pfeiffer em Batman – O Retorno. Anne vai da gatinha dócil e frágil a uma felina ágil e escorregadia que não hesitaria em avançar contra nossos olhos e ainda sair de uma embrulhada com muito estilo. Incrivelmente sexy e ao mesmo tempo elegante como sempre são os figurinos de Lindy Hemming desde 007 contra GoldenEye, Anne Hathaway ainda prestigia o traje clássico de Lee Meriwether na série sessentista do morcego, aqui um pouco mais high tech.

Já Tom Hardy é Bane, o grandalhão que surgiu nas HQs em 1992 para partir o Cavaleiro das trevas ao meio, literalmente. O mercenário mascarado aqui não usa uma máscara de luta livre que sela seu rosto por completo, mas sim uma máscara que permite que continue vivo e ainda lhe dá uma aparência incrivelmente intimidadora e bestial. A interpretação de Hardy para o personagem é seca, no sentido de que o personagem não apresenta nuances, planos e contra planos, seu objetivo é único e sua determinação inabalável é puramente racional.

A superioridade física de Bane em relação a Batman é visível, pois o físico do vilão é a de um lutador de MMA peso pesado, porém treinamento não é nada sem determinação e isso é o que pode decidir quem vencerá na batalha entre os dois fantasiados de Gotham.

Joseph Gordon-Levitt interpreta o sagaz oficial de polícia John Blake, papel original e muito bem resolvido dentro da trama e que partilha com o Cavaleiro das Trevas o mesmo altruísmo heróico, não importando-se com o uso de um distintivo ou de uma capa. Levitt dá aqui mais um show de atuação dramática.

Já Marion Cotillard como a executiva Miranda Tate não se destaca muito, sendo seu personagem muito coadjuvante para conseguir se arrancar da beldade francesa uma atuação inesquecível, mas aí a culpa é do personagem pouco desenvolvido.

Blake, Gordon, Batman, Bane e Mulher-Gato

É nessa última parte da trilogia que o compositor Hans Zimmer alcança o seu auge de maestria orquestrada. Suas composições para O Cavaleiro das Trevas Ressurge são soberbas. Não é exagero dizer que o músico chegou ao nível de outro gigante do ramo, John Williams, cujas trilhas inesquecíveis nos fazem arrepiar até hoje. Porém, Zimmer também faz uso do silêncio; gélido, sólido e esmagador.

Em suma, Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge é o filme mais denso de um herói que vai viver para sempre, porém, o Batman de Christopher Nolan se difere de todas as outras versão do morcego. Este último filme não é apenas um filme de super-heróis, é sim, um filme de heróis, um FILME de verdade. A trilogia de Nolan causa o desespero da dor que antecede um momento de perda, pois, aqui, o Cavaleiro das Trevas, o Batman, fecha seu arco cinematográfico mais apaixononante de todos, diferente das hecatombes que foram suas adaptações anteriores até a chegada de Nolan.

O círculo se queimou, se fechou, a história terminou; porém, a vida não se esvaiu. Quando precisarmos dele mais uma vez, quem sabe, o Cavaleiro das Trevas ressurja novamente para nós.

Trailer