Arquivos do Blog

GoldenEye 007: Reloaded

GoldenEye ou como a garotada sem muito inglês dizia na época, Goldinei, é sem dúvida um dos jogos mais aclamados da história e que ajudou a popularizar o gênero tiro em primeiro pessoa ao lado de games como Doom e Wolfenstein. Muito do que se era visto em GoldenEye continua em voga até hoje, quase 15 anos depois. Armas a rodo, excelente história temperada a muita pólvora digital e multiplayer em split screen.

No ano passado uma versão reimaginada de GoldenEye foi lançada para o Nintendo Wii pelas mãos da Eurocom e Activision. Na nova versão o James Bond de Pierce Brosnan é substituído pelo atual 007, Daniel Craig. O roteiro ficou a cargo de Bruce Feirstein, roteirista do filme original de 1995 e Judi Dench voltou mais uma vez para interpretar M. Mudanças foram necessárias, atualizações na narrativa para a história se adequar melhor ao cenário mundial em que vivemos hoje além de uma roupagem mais sombria e realista, caraterística do 007 de Daniel Craig. Um ano se passou e o título que era exclusivo do Wii chegou para os consoles HD.

Em GoldenEye Reloaded o mais audacioso dos heróis tem que impedir que o grupo terrorista Janus use a arma espacial que dá título ao game de fazer a Inglaterra voltar a idade das pedras, já que o GoldenEye é uma arma de pulso eletromagnético que será disparado sobre a capital inglesa. Tudo começa quando James Bond e Alec Trevelyan (006) são enviados a Rússia para interceptar a chegada de um carregamento de armas para fins terroristas. Durante a missão 006 é morto pelo general Ourumov diante dos olhos de James Bond. Com uma pista a seguir, Bond parte rumo a Barcelona para saber de Valentin Zukovisky o que o grupo Janus pretende fazer com um helicóptero capaz de sobreviver a pulsos eletromagnéticos. Sem spoilers, já que a história é conhecida desde o lançamento do filme, Bond descobre que Alec Trevelyan é o líder do grupo Janus e que usou o helicóptero para roubar o GoldenEye. Auxiliado por Natalya Simonova, 007 tem de deter os planos do vilão que se refugiou em uma estação de energia solar na Nigéria.

Fazer um remake de um jogo como GoldenEye é pedir para se fazer algo tão incrível quanto; ou assinar a própria sentença de morte. Durante o início do game o jogador realmente se sente de volta no passado ao mesmo tempo que atualizado, com cenários parecidíssimos ao original da Rare mas muito mais sombrios e decadentes, afinal são instalações da antiga União Soviética! Mas a boa sensação acaba quando vemos a remodelagem de personagens icônicos como general Ourumov e Xenia Onnatopp, que aqui se tornam caricatos demais como se tivessem saído de desenhos animados do final dos anos 80 e início dos 90, tais como Capitão Planeta ou mesmo da antiga série James Bond Jr.

Que saudade da Famke Janssen…

A história se torna vazia quando o vilão simplesmente diz que sua vingança é contra os banqueiros e tudo que os bancos tocam. Na versão original o personagem de Alec Trevelyan quer vingança contra o Reino Unido, já que seus pais foram traídos pelos britânicos durante a Segunda Guerra Mundial ao tentarem desertar, e foram entregues de volta a Stalim. Claro que a historia de GoldenEye Reloaded foi atualizada, caso contrário o personagem seria velho demais para ser uma figura opositora a James Bond, pelo menos fisicamente. Como o passado e o futuro para o qual olham as duas faces do deus Jano, Bond e Trevelyan são opostos entre si representando de modo bem preto no branco o bem e o mal e a confiança e traição daqueles que um dia foram amigos.

Durante o decorrer do jogo os cenários deixam de se parecer com os originais do game do Nintendo 64 e se tornam confusos e não atraentes aos olhos que o jogador. A cada nova sala transposta é necessário se degladiar com dezenas de inimigos, que se não fosse o mapa no canto inferior direito da tela seriam impossíveis de se distinguir do cenário. Essa repetição entediante e desanimadora faz o jogador querer terminar o jogo apenas porque já o começou. Pequenos detalhes que deveriam ser essenciais perdem todo o sentido no novo GoldenEye, como o indicador de vida que a maioria dos jogos faz uso hoje; sangue na tela que vai perdendo a cor conforme o dano sofrido até voltar a se estabilizar quando o jogador tira o personagem da linha de tiro, aqui praticamente não existe. Isso somado a tiros invisíveis que atravessam as paredes deixam o jogador enfurecido demais para pensar em qualquer outra coisa senão correr a esmo. Outro contraponto é o indicador de granada incrivelmente impreciso que mais atrapalha que auxilia. Conselho: não desligue a auto aim, pois sem ela você atirará nas paredes mesmo que o alvo esteja diante de sua P99.

Rare, volte por favor!

O jogo faz uso de elementos tanto do filme de 1995 quando do jogo de 1997, como é o caso da música tema cantada por Nicole Scherzinger e não por Tina Turner, escrita por Bono e The Edge do U2. Grande erro é durante os créditos ao som da voz da ex-vocalista das Pussycat Dolls aparecer somente os nomes de Daniel Craig e Judi Dench, como se os outros atores como o britânico Elliot Cowan que faz Trevelyan não fosse levado a sério pela produção do título. Ainda falando em musicalidade, Reloaded peca imensamente por uma trilha sonora sem emoção e quase imperceptível que contou com a participação de David Arnold, compositor oficial dos filmes do espião que desempenha nas películas um trabalho tão notável quanto o do próprio John Barry. Ao contrário do GoldenEye da Rare onde a trilha marcante é uma lembrança agradável de fases como facility, bunker e cradle, cada uma com seu tema exclusivo, na obra da Eurocom é como se jogássemos no silêncio.

GoldenEye 007: Reloaded é uma mescla nostálgica da infância e adolescência de muita gente que só deve ser consumido por quem é fã do espião a serviço secreto de sua Majestade. O novo game sequer devia ser comaparado ao GoldenEye de 1997, precursor de uma era de jogos que atualmente não passa de uma mesmice enfadonha e nada original, já que os produtores preferem não se arriscar com coisas novas, mas sim saturar o mercado destruindo a essência de algo que um dia já foi considerado o melhor.

Sean Bean

Elliot Cowan

Trailer de lançamento

Tina Turner – GoldenEye

Nicole Scherzinger – GoldenEye

Anúncios