Arquivos do Blog

As Borboletas de Sadourni

Depois da breve introdução do produtor Donald K Ranvaud, ficou claro antes mesmo de o filme começar que “As Borboletas de Sadourni” é nada mais, nada menos, que uma obra bastante peculiar. O prelúdio do filme foi filmado cerca de 10 anos depois da produção original; revelando os motivos que levaram à prisão do protagonista.

Após ter assassinado sua esposa grávida depois de flagrá-la na cama com outro homem, o anão de circo Sadourni se vê atrás das grades. Quando deixa a cadeia uma década depois, se torna a ponte entre seu ex-companheiro de cela e sua esposa, dona de um hotel. Quando não está levando correspondência de um para o outro, Sadourni sai em busca de um emprego para poder juntar dinheiro suficiente para poder realizar o tratamento que lhe dará a estatura de um homem comum. Porém a obsessão com sua estatura o leva mais uma vez entrar na mira da justiça, tudo isso enquanto se apaixona pela bela atriz pornô, Alexia.

Dirigido por Darío Nardi e estrelado por Christian Medrano e Antonella Costa, “As Borboletas de Sadourni”, o filme presta homenagem ao gênero noir enquanto brinca com os exageros mais absurdos. Com um estilo bastante autêntico, a produção argentina sabe bem como usar sombras nos mais diversos planos e sobreposição de imagem sem fazer uso de nenhuma técnica especial. Vale o exemplo de quando Sadourni está examinando o panfleto com a programação do circo, e fazendo uso apenas da luz do sol cria uma sobreposição de imagem que revela de modo subliminar o lado sanguinário do anão.

Rodado inteiramente em preto e branco, sendo este tipo de imagem a perspectiva de Sadourni, a película também faz uso de imagens em sépia para mostrar o ângulo de vista de outros personagens. O uso de um filtro vermelho também é usado quando o pequeno protagonista entra no seu estado de berserker, correndo desvairado de uma lado ao outro da tela com seu canivete.

Incrivelmente estilizado mas perdendo um pouco o rumo da edição e da narrativa lá pelo meio da película, sendo mais longo do que deveria, “As Borboletas de Sadourni” é um filme ímpar que pode ser visto como arte de qualquer ângulo pelo qual seja examinado.

Trailer

Anúncios