Arquivos do Blog

Teasers para Skyfall e Legends

Completando 50 anos esse ano, James Bond vai voltar em dose sexta!!! Isso mesmo, além do novo filme 007 Operação Skyfall cujas filmagens se encerraram no último dia 19, o novo game do espião traz Daniel Craig em seis missões diferentes baseadas em um filme de cada um dos atores que já viveram 007 nas telonas.

O  teaser de Skyfall é curtinho, mas tem uma atmosfera pesada e muito pessoal, o que reforça as informações de que a trama vai mexer diretamente com o background pessoal do personagem, algo que nunca antes foi explorado na série.

Já sobre Legends sabemos que um dos filmes escolhidos que estará no game é Moonraker, ou 007 contra o Foguete da Morte de 1979 estrelado por Roger Moore. Ao que tudo indica pelas imagens exibidas o game está sendo feito nos moldes de GoldenEye Reloaded, que cá entre nós não chegou nem perto dos pés do original lá de 1997.

Assim como em Reloaded, cenários e figurinos estão sendo atualizados, mas desta vez as feições se mantem fiéis a dos atores do filme dos anos 70 como Michael Lonsdale, Lois Chiles e Richard Kiel. Bond carrega novamente sua Walther P99. As imagens são eletrizantes, mas quando será que a Activision e a Eurocom vão aprender que um game de 007 só funciona realmente se for em 3ª terceira pessoa? Fora o fato que o espião voltou para sua velha companheira de guerra Walther PPK desde 2008 com Quantum of Solace. O jeito é esperar para ver.

Legends sai em outubro e Skyfall em novembro.

Trailers

007 Operação Skyfall

007 Operação Skyfall – dublado

007 Legends

Skyfall ganha videoblog

foto divulgação

Sam Mendes, diretor de Skyfall, 23ª aventura cinematográfica de James Bond nos cinemas lançou um videoblog narrando suas experiências com a cine-série e de como o filme é o seu primeiro a ser rodado em solo britânico.

Nas imagens exibidas durante o vídeo podemos ver Mendes coordenando seus atores nos sets de filmagem e também a silhueta de Daniel Craig no cenário luminoso que faz as vezes de Xangai e que também serviu de fundo para a primeira foto oficial da produção lançada há algumas semanas. A foto encabeça essa postagem.

Videoblog

Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres

É com um orgasmo. não, Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres não começa com uma cena de sexo. Na verdade a cena inicial com pouco mais de duas linhas de diálogo começa muito semelhante ao romance de Stieg Larsson. O orgasmo, mental, que isso fique bem claro, começa quase imperceptível logo de cara nos logotipos da Columbia e da MGM e assim que a tela escurece já é possível senti-lo vindo lá do fundo da mente… eis que uma introdução no melhor estilo James Bond que deixaria o célebre Maurice Binder boquiaberto toma a tela, aí não para mais, tudo embalado pela roupagem aguda e célere dada por Trent Reznor e Atticus Ross a canção Immigrant Song do Led Zeppelin aqui na voz arranhada de Karen O. Em menos de cinco minutos de filme já estava satisfeito e de cérebro encharcado.

Baseado na primeira parte da bem sucedida trilogia de livros suecos, Os Homens que não Amavam as Mulheres conta a história do jornalista Mikael Blomkvist da revista Millennium que vive caçando empresários corruptos direitistas, que após ser condenado por calúnia e difamação contra o poderoso empresário Hans-Erik Wennerström resolve se refugiar de tudo e de todos, eis que recebe uma proposta bastante incomum de Henrik Vanger, rico homem de negócios que mora na ilha de Hedeby.

Henrik pede a Mikael que passe a morar na ilha e durante o período de um ano investigue o desaparecimento de sua sobrinha-neta que sumiu no ar quarenta anos atrás. Em troca Henrik promete entregar a Mikael informações valiosas sobre Wennerström.

Mikael passa a receber auxílio da figura mais inusitada possível: uma hacker muito punk chamada Lisbeth Salander, figura cheia de piercings e tatuagens sendo ao que tudo indica mentalmente perturbada e com tendências homicidas e que vive sob a guarda do Estado. A Dupla tem então de desvendar um mistério que perdura há mais de quatro décadas.

Simpatizante com a esquerda, Stieg Larsson era jornalista de uma revista nos mesmos moldes da Millennium

Escritos entre 2003 e 2004 e sendo publicados postumamente, os livros que compõe a chamada Trilogia Millennium não param de vender e conquistar milhares de fãs mundo afora. Com 50 milhões de exemplares vendidos era de se esperar que logo os livros de Larsson fossem adaptados para o cinema, e foi o que aconteceu em 2009 quando os três livros se tornaram películas em co-produções sueco dinamarquesas com Michael Nyqvist e Noomi Rapace nos papéis de Blomkvist e Salander. Os três filmes, Os Homens que não Amavam as Mulheres, A Menina que Brincava com Fogo e A Rainha do Castelo de Ar se tornaram rapidamente um enorme sucesso na Europa e atraíram o olhar do gigantesco maquinário de Hollywood e a pré-produção da nova versão da primeira parte da odisséia de Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander teve início.

Antes mesmo de Hollywood querer fazer sua própria versão das obras de Stieg Larrson, o diretor David Fincher já estava de olho nos mesmos livros, mas para ele Hollywood nunca iria fazer uma franquia para adultos recheada de violência, sexo e anti-semitas extremos como as obras de Larsson, ainda mais com franquias adolescentes como Harry Potter e a Saga Crepúsculo arrecadando milhões aos montes. Eis que, assim que Hollywood se decidiu em fazer adaptações de Millennium, David Fincher foi o escolhido para reger a batuta da nova adaptação.

Fincher é conhecido por ousar, muitos de seus filmes se tornaram ícones do cinemão americano mas sempre com aquela cara de produção independete carregada de sombras e mistério. Alguns exemplos de seus filmes são: Seven – Os sete Crimes Capitais, Alien 3, Clube da Luta, O Curioso Caso de Benjamin Button e A Rede Social. Fincher ainda detém a fama de rodar cada tomada nada mais nada menos do que cem vezes! No final não há mais desculpa de ter esquecido as falas.

Com roteiro de Steve Zaillian e comando de Fincher, Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres é uma produção lúgrube mas classuda, carregada de sombras e muitos personagens originais como prato principal que se movem como peças orgânicas e metódicas de uma partida de xadrez, mas o inesperado sempre está à espreita. A obra de Stieg Larsson feita por Fincher se difere completamente da sua versão sueca, aqui tento quase três horas de duração. Detalhes que ficaram de fora do filme sueco aqui aparecem idênticos, ou quase, ao romance de Larsson. O espectador que já leu os livros vai ver como um sanduíche, um maço de Marlboro vermelho e uma varanda fazem toda a diferença.

Mas o maior trunfo do filme vai para a atriz Rooney Mara que interpreta Lisbeth Salander, uma personagem tão complexa como jamais houve e possivelmente jamais haverá. O processo de escolha para o papel foi exaustivo e corrido, pois o tempo era curto, mas Rooney conseguiu o papel após ser testada fisicamente por Fincher, já que foi preciso cortes de cabelo muito estranhos, piercings reais e outros não, tatuagens, descoloração das sobrancelhas, novo jeito de andar, falar, se portar, ter o jeito de um garoto de 14 anos, enfim, Mara É Lisbeth Salander. A entrega da atriz é surpreendente, cada aspecto e sensação que a personagem traz nas páginas escritas por Larsson estão na tela, é magnífico de se ver. Você vai sentir pena, compaixão, raiva e até uma certa atração pela figura incomum, sabe, aquele interesse pelo desconhecido… Você pode até querer abraçá-la mas levará um belo chute nos bagos se tentar.

Rooney Mara encarna a hacker Lisbeth Salander

Fazendo par com Rooney Mara está Daniel Craig. “Não é bem uma escolha. Daniel é muito masculino, tem essa idade indeterminada, entre 38 e 50 anos, e é um ator incrível.”, palavras do próprio Fincher, o que é verdade. Apesar de a descrição de Blomkvist ser mínima nos romances de Larsson, sabe-se que é um sujeito maduro de meia-idade, forte e de cabelos aloirados. A certeza se torna maior com o desempenho de Craig na telona, só não temos certeza se a parte da idade indeterminada serve como elogio.

No elenco ainda estão o sueco Stellan Skarsgard como Martin Vanger, Christopher Plummer fazendo Henrik Vanger, Robin Right como Erika Berger, co-editora da Millennium, Goran Visnjic é Dragan Armasky, chefe de Lisbeth na Milton Security e Joely Richardson como Anita Vanger, mais uma do interminável clã de calhordas. Bom, a maioria.

Toda essa excitação que dá vida ao thriller vem também da trilha de Trent Reznor e Atticus Ross que também trabalharam com Fincher em A Rede Social. A trilha com canções como Sail Away de Enya (sugestão de Daniel Craig), Is Your Love Strong Enough? e How to Destroy Angels é quase tão longa quanto o próprio filme, tendo cerca de 173 minutos de duração e é um dos elementos dessa fórmula fincheriana que fazem de Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres o tipo de filme do qual não se consegue tirar os olhos, não é possível pensar em qualquer outra coisa além do que está rolando na tela.

Pode ser um clichê dizer que filmes te fazem esquecer da vida e viver a de outras pessoas por duas horas mas é mentira. Em determinado momento você vai se pegar pensando: “O que será que terá para o jantar?”, ou “Nossa, como aquela ruiva da recepção é bonita!” Mas isso não acontece com o novo Os Homens que não Amavam as Mulheres. É estranho, surreal se esquecer de si mesmo não por duas horas mas sim por quase três.

David Fincher ainda não sabe se vai retornar para dirigir a continuação, A Menina que Brincava com Fogo cujo roteiro já está pronto e novamente pelo pincel de Steve Zaillian. Fincher diz que o processo é muito exaustivo de passar um ano inteiro filmando na Suécia, mas caso venha a retornar a primeira franquia adulta de Hollywood poderá filmar o segundo e o terceiro filme ao mesmo tempo para facilitar, não só para ele e para o resto da equipe mas também para Rooney Mara, cuja transformação em Lisbeth Salander é um processo tortuoso e extenuante.

Alguns dizem que mesmo os ingredientes típicos de Fincher estarem presentes na tela o diretor não foi ousado como costuma ser em outras produções. Apesar de o filme ter recebido uma classificação etárea alta, 18 anos, as cenas de violência sexual apesar de chocantes não são explícitas do modo como se acreditava que seriam, isso talvez por causa dos censores pudicos da indústria do cinema americano. Existem cenas mais impactantes em folhetins televisivos e nas chamadas “novelas da vida real” que ultimamente viraram febre nos canais de televisão mundo afora com cenas lastimáveis de tão impróprias que são para seus horários.

Enfim, já era hora de filmes barra pesada para adultos misturados com a fórmula de thrillers cerebrais aparecerem. Deixe as crianças e adolescentes de cabelos esticados e tênis coloridos com “Harry, Rony e Hermione” e Edward e Bella e corra para derreter sua mente com Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres.

Trailer

Immigrant Song – Trent Reznor, Atticus Ross & Karen O

Sail Away – Enya

Daniel Craig com a corda no pescoço

Notícia vai, notícia vem… estava de olho escolhendo com carinho qual seria a primeira postagem de 2012 aqui no nosso espaço loucura que é o Chico Louco e eis que me lembrei daquela velha frase: “a vida imita a arte ou a arte imita a vida?” Aqui vai um exemplo de como a arte imita a arte, inspirada na vida… que confusão! Bom, vamos direto ao que interessa então.

Um caso bizarro de realismo que se encaixa no tal dito acima transcrito vem direto de Os Homens que não Amavam as Mulheres de David Fincher. Há uma determinada cena em que o personagem de Daniel Craig, o jornalista Mikael Blomkvist é algemado e amarrado, pendente do teto e todo seu rosto é envolto em papel filme.

“A primeira noite em que o erguemos, o coordenador de dublês disse: ‘Daniel precisa ficar com essa coisinha de metal na mão, se ele começar a perder a consciência ele pode cortar o plástico da boca,’” disse Fincher ao Chicago Sun Times.

“Acontece que agir como se estivesse sufocando não é muito diferente de realmente estar sufocando. Então ia ser dificil notar, por isso ele precisava da coisinha de metal.” Daniel foi amarrado e enrolado. “Havia até uma palavra de segurança se eu estivesse com com problemas!”, revelou o ator. De acordo com David fincher a tal palavra era: “Unnnnhhh!”

“A vida imita a arte ou a arte imita a vida?”

Fincher estava vendo a cena no monitor quando ouviu um estranho “ting, ting, ting.”

“Todo mundo entrou correndo porque aparentemente eu tinha desmaiado”, diz Craig. Sobre o relatório de produção foi: Vamos Daniel ir 15 minutos mais cedo devido à inconsciência’.”

Os Homens que não Amavam as Mulheres estreia aqui no Brasil em 27 de janeiro, apesar de já estar em cartaz desde antes do natal nos Estados Unidos e Inglaterra. Para as 2 continuações o diretor pretende rodá-las juntas assim como aconteceu com Matrix Reloaded e Matrix Revolutions e Piratas do Caribe e o Baú da Morte e Piratas do Caribe no Fim do Mundo.

GoldenEye 007: Reloaded

GoldenEye ou como a garotada sem muito inglês dizia na época, Goldinei, é sem dúvida um dos jogos mais aclamados da história e que ajudou a popularizar o gênero tiro em primeiro pessoa ao lado de games como Doom e Wolfenstein. Muito do que se era visto em GoldenEye continua em voga até hoje, quase 15 anos depois. Armas a rodo, excelente história temperada a muita pólvora digital e multiplayer em split screen.

No ano passado uma versão reimaginada de GoldenEye foi lançada para o Nintendo Wii pelas mãos da Eurocom e Activision. Na nova versão o James Bond de Pierce Brosnan é substituído pelo atual 007, Daniel Craig. O roteiro ficou a cargo de Bruce Feirstein, roteirista do filme original de 1995 e Judi Dench voltou mais uma vez para interpretar M. Mudanças foram necessárias, atualizações na narrativa para a história se adequar melhor ao cenário mundial em que vivemos hoje além de uma roupagem mais sombria e realista, caraterística do 007 de Daniel Craig. Um ano se passou e o título que era exclusivo do Wii chegou para os consoles HD.

Em GoldenEye Reloaded o mais audacioso dos heróis tem que impedir que o grupo terrorista Janus use a arma espacial que dá título ao game de fazer a Inglaterra voltar a idade das pedras, já que o GoldenEye é uma arma de pulso eletromagnético que será disparado sobre a capital inglesa. Tudo começa quando James Bond e Alec Trevelyan (006) são enviados a Rússia para interceptar a chegada de um carregamento de armas para fins terroristas. Durante a missão 006 é morto pelo general Ourumov diante dos olhos de James Bond. Com uma pista a seguir, Bond parte rumo a Barcelona para saber de Valentin Zukovisky o que o grupo Janus pretende fazer com um helicóptero capaz de sobreviver a pulsos eletromagnéticos. Sem spoilers, já que a história é conhecida desde o lançamento do filme, Bond descobre que Alec Trevelyan é o líder do grupo Janus e que usou o helicóptero para roubar o GoldenEye. Auxiliado por Natalya Simonova, 007 tem de deter os planos do vilão que se refugiou em uma estação de energia solar na Nigéria.

Fazer um remake de um jogo como GoldenEye é pedir para se fazer algo tão incrível quanto; ou assinar a própria sentença de morte. Durante o início do game o jogador realmente se sente de volta no passado ao mesmo tempo que atualizado, com cenários parecidíssimos ao original da Rare mas muito mais sombrios e decadentes, afinal são instalações da antiga União Soviética! Mas a boa sensação acaba quando vemos a remodelagem de personagens icônicos como general Ourumov e Xenia Onnatopp, que aqui se tornam caricatos demais como se tivessem saído de desenhos animados do final dos anos 80 e início dos 90, tais como Capitão Planeta ou mesmo da antiga série James Bond Jr.

Que saudade da Famke Janssen…

A história se torna vazia quando o vilão simplesmente diz que sua vingança é contra os banqueiros e tudo que os bancos tocam. Na versão original o personagem de Alec Trevelyan quer vingança contra o Reino Unido, já que seus pais foram traídos pelos britânicos durante a Segunda Guerra Mundial ao tentarem desertar, e foram entregues de volta a Stalim. Claro que a historia de GoldenEye Reloaded foi atualizada, caso contrário o personagem seria velho demais para ser uma figura opositora a James Bond, pelo menos fisicamente. Como o passado e o futuro para o qual olham as duas faces do deus Jano, Bond e Trevelyan são opostos entre si representando de modo bem preto no branco o bem e o mal e a confiança e traição daqueles que um dia foram amigos.

Durante o decorrer do jogo os cenários deixam de se parecer com os originais do game do Nintendo 64 e se tornam confusos e não atraentes aos olhos que o jogador. A cada nova sala transposta é necessário se degladiar com dezenas de inimigos, que se não fosse o mapa no canto inferior direito da tela seriam impossíveis de se distinguir do cenário. Essa repetição entediante e desanimadora faz o jogador querer terminar o jogo apenas porque já o começou. Pequenos detalhes que deveriam ser essenciais perdem todo o sentido no novo GoldenEye, como o indicador de vida que a maioria dos jogos faz uso hoje; sangue na tela que vai perdendo a cor conforme o dano sofrido até voltar a se estabilizar quando o jogador tira o personagem da linha de tiro, aqui praticamente não existe. Isso somado a tiros invisíveis que atravessam as paredes deixam o jogador enfurecido demais para pensar em qualquer outra coisa senão correr a esmo. Outro contraponto é o indicador de granada incrivelmente impreciso que mais atrapalha que auxilia. Conselho: não desligue a auto aim, pois sem ela você atirará nas paredes mesmo que o alvo esteja diante de sua P99.

Rare, volte por favor!

O jogo faz uso de elementos tanto do filme de 1995 quando do jogo de 1997, como é o caso da música tema cantada por Nicole Scherzinger e não por Tina Turner, escrita por Bono e The Edge do U2. Grande erro é durante os créditos ao som da voz da ex-vocalista das Pussycat Dolls aparecer somente os nomes de Daniel Craig e Judi Dench, como se os outros atores como o britânico Elliot Cowan que faz Trevelyan não fosse levado a sério pela produção do título. Ainda falando em musicalidade, Reloaded peca imensamente por uma trilha sonora sem emoção e quase imperceptível que contou com a participação de David Arnold, compositor oficial dos filmes do espião que desempenha nas películas um trabalho tão notável quanto o do próprio John Barry. Ao contrário do GoldenEye da Rare onde a trilha marcante é uma lembrança agradável de fases como facility, bunker e cradle, cada uma com seu tema exclusivo, na obra da Eurocom é como se jogássemos no silêncio.

GoldenEye 007: Reloaded é uma mescla nostálgica da infância e adolescência de muita gente que só deve ser consumido por quem é fã do espião a serviço secreto de sua Majestade. O novo game sequer devia ser comaparado ao GoldenEye de 1997, precursor de uma era de jogos que atualmente não passa de uma mesmice enfadonha e nada original, já que os produtores preferem não se arriscar com coisas novas, mas sim saturar o mercado destruindo a essência de algo que um dia já foi considerado o melhor.

Sean Bean

Elliot Cowan

Trailer de lançamento

Tina Turner – GoldenEye

Nicole Scherzinger – GoldenEye

Conheça 007 Skyfall

O próximo filme do agente secreto James Bond enfim tem seu título, locações, elenco e sinopse revelados na coletiva de imprensa que aconteceu ontem em Londres no salão de festas do Corinthia Hotel às 11:45 da manhã.

Apresentado pelo produtor Michael G. Wilson o novo filme de 007 se chamará Skyfall e o signifiacado do título somente poderá ser compreendido após assistir ao filme que se passará em Londres, Xangai, Istambul e Escócia.

Prontos para responder as perguntas dos repórteres estavam Daniel Craig, Judi Dench, o diretor Sam Mendes, os produtores Michael G. Wilson e Barbara Broccolli além de Javier Barden, Bérénice Merlohe e Naomie Harris. O diretor Sam Mendes também confirmou a presença de Ben Whishaw, Albert Finney e Ralph Fiennes no elenco do novo filme da cinessérie mais longa da história.

Durante a meia hora que se seguiu, porém, muito pouco foi revelado. A atriz francesa Bérénice Merlohe interpretará uma personagem chamada Séverine e Naomie Harris uma agente de campo chamada Eve e não Moneypenny, secretária pessoal de M como se especulava. Ambas as atrizes disseram ter treinado para cenas de ação além de terem aprendido a atirar com metralhadoras. O espanhol Javier Bardem interpretará o vilão por enquanto sem nome da trama e mostrou uma boa química com Daniel Craig ao fazerem piadas um com o outro ao decorrer da coletiva.

Da esquerda para a direita: Javier Bardem, Bérénice Merlohe, Sam Mendes, Judi Dench, Daniel Craig, Naomie Harris, Barbara Broccolli e Michael G. Wilson

Vilão e herói

As Bond girls

Muito pouco foi revelado sobre o filme. A sinopse oficial diz: “Em Skyfall, a lealdade de Bond a M é testada quando o passado dela volta a assombrá-la. Com o MI6 sob ataque, 007 deve rastrear e destruir a ameaça, mesmo que isso tenha um custo pessoal.” Ao que tudo indica o filme explorará como nenhuma outra produção da franquia a lado emocional e possivelmente o passado dos personagens, o que é bem a cara de Sam Mendes, diretor de filmes como Estrada para a Perdição e Beleza Americana. O diretor disse que a harmonia estará no equilíbrio entre drama e ação.

O diretor também revelou que o filme seguira a linha já estabelecida pelos dois últimos filmes de 007, Cassino Royale e Quantum of Solace, porém a nova aventura do espião não tem qualquer ligação com os dois longas ou com qualquer dos romances escritos por Ian Fleming. Questionado sobre as famosas gadgets, Mendes disse com um sorriso maroto nos lábios que o filme trará algumas surpresas.

Quase ao final da coletiva Craig brincou com Bardem e tranquilizou o público feminino dizendo que tanto ele quanto o colega espanhol tirarão suas camisas em cena.

Passado um dia do anúncio oficial de Skyfall, o ator inglês Ralph Fiennes falou sobre sua participação na produção pela primeira vez. “Eu posso dizer que John Logan escreveu um roteiro fantástico e Sam Mendes tem classe. Eles estão fazendo algo muito especial. Eles serão ótimos para Bond.” Ralph Fiennes não disse se participará das cenas de ação. “Eu não posso responder a isso,” disse. “Mas com certeza eu não ficarei deitado.” Especula-se que Fiennes interpretará o arquinimigo de 007, Ernst Stavro Blofeld.

Ainda fazem parte da equipe de produção de Skyfall, Roger Deakins como diretor de fotografia, Jany Temime como figurinista, Dennis Gassner que volta  como cenógrafo após Quantum of Solace, Chris Corbould mais uma vez cuidará dos efeitos especiais, Alexander Wiit será diretor de segunda unidade e Tom Ford novamente será o alfaiate responsável por deixar James Bond tão elegante quanto letal. Neal Purvis, Robert Wade e John Logan são os roteiristas. A ideia central do filme é de Peter Morgan, roteirista responsável por filmes como A Rainha, O Último Rei da Escócia e Frost/Nixon.

Curiosamente a apresentção de Sean Connery como o ator que interpretaria James Bond em 007 contra o Satânico Dr. No se deu no dia 3 de novembro de 1961, exatamente cinquenta anos antes da confirmação de Skyfall.

As filmagnes de Skyfall começam em Londre no próximo dia 7 e tem estreia marcada para 26 de outubro de 2012 no Reino Unido e 9 de novembro nos Estados Unidos.

Assista a coletiva completa no Corinthia Hotel

Trailer de lançamento: GoldenEye Reloaded

A menos de uma semana de ser lançado GoldenEye Reloaded ganhou um novo trailer. O vídeo apresenta um ritmo corrido e bem cortado embalado pelo clássico tema do espião. O remake do reboot como vem sendo chamado internet a fora chegará as prateleiras no próximo dia primeiro para a felicidade dos donos de PS3 e Xbox 360 e talvez revolta dos donos de Wii que achavam serem os únicos a receber o título da Activison e Eurocom.

Trailer de lançamento:

Os Homens que não Amavam as Mulheres tem novo trailer

Que a versão hollywoodiana de Os Homens que não Amavam as Mulheres está para estrear em dezembro todo mundo já sabe. Já foram noticiadas aqui no Chico Louco algumas notícias sobre a produção sombria de David Fincher estrelada por Daniel Craig e Rooney Mara.

O filme surpreendentemente segue uma narrativa pesada onde o diretor teve total liberdade da Metro-Goldwyn-Mayer e da Paramount para usar o máximo de violência que bem entendesse. Danem-se os censores! O próprio Daniel Craig se mostrou surpreso quando assistiu aos copiões do filme.

Aqui você confere o novo trailer do filme, vídeo de quase 4 minutos onde o clima denso mostra a competência de Fincher em recriar fielmente os eventos chocantes do romance do finado jornalista sueco Stieg Larsson.

Trailer 2
Os Homens que não Amavam as Mulheres

 

David Fincher diz ter alterado o final de Os Homens que não Amavam as Mulheres

David Fincher, diretor da versão hollywoodiana de Os Homens que não Amavam as Mulheres (The Girl with the Dragon Tattoo) ainda está ao lado dos editores Kirk Baxter e Angus Wall recortando o material de filmagem para a estréia no dia 21 de dezembro, mas ao que parece a película não seguirá à risca sua versão literária escrita pelo aclamado autor sueco Stieg Larsson. Fincher disse que alterou o final da encruzilhada sangrenta dos protagonistas Mikael Bolmkvist e Lisbeth Salander vividos por Daniel Craig e Rooney Mara. De acordo com o diretor existe a fórmula que funciona em livros mas que não serve para o cinema. “Nós tivemos uma ideia que vai deixar o final mais fácil de entender. Nós mudamos o final, não muito, para que funcione do ponto de vista do cinema.”, disse Fincher a agência de notícias TT Spektra. “Algumas coisas funcionam em livros mas não em um filme,” ele disse. “Existe um certo ritmo nos filmes e isso nos fez sentir que uma mudança era necessária”.

Fincher porém, é claro, não especificou quais seriam as mudanças e também comentou sobre a importância de se filmar na Suécia. “Assim que li o romance eu pensei que havia algo muito sueco nele. E quando vim para a Suécia e olhei em volta percebi que essa história não poderia ter sido ambientada em Connecticut ou Montreal. Precisava ser na Suécia.”, disse o diretor ao TT.

 

Trailer:

Os Homens que não Amavam as Mulheres

Russos? Javier Bardem? Carte Blanche? E agora sr. Bond?

Carte Blanche Jeffery Deaver James Bond novel Carte Blanche, the Pure Bond New Book Launched in London in Bond Style

Dois novos rumores surgiram hoje sobre a produção do próximo capítulo na franquia de James Bond. Pela manhã sites russos noticiaram que Javier Bardem já estaria contratado para interpretar um vilão em Bond 23. Durante meses Bardem foi ligado às adaptações do best seller de Stephen King, A Torre Negra para o cinema e para a televisão mas como o estúdio responsável resolveu manter o projeto na geladeira, Bardem que ainda continua ligado a produção ganhou um tempo livre em sua agenda o que talvez o tenha permitido aceitar o papel como antagonista de Daniel Craig, porém nada oficial foi dito ainda.

A outra notícia é que o filme já achou o seu título, e surpresa! O nome da próxima aventura de James Bond pode ser Carte Blanche! O título é o mesmo do novo romance do espião lançado esse ano pelas mãos do escritor  americano Jeffery Deaver. No romance, uma versão atualizada de James Bond tem de viajar para os Emirado Árabes e impedir um incidente internacional elaborado por um rico empresário. O livro ainda sem tradução no Brasil é no mínimo excelente tamanha originalidade empregada em sua concepção.

Mas deixando as obras literárias de lado, quem divulgou o título do filme foi a violoncelista sérvia Jelena Mihailovic, contratada pela produção para integrar a trilha sonora do filme depois de se apresentar no Festival de Cannes. A artista em entrevista ao site russo Blic Online deixou escapar a novidade, porém nada foi divulgado oficialmente, portanto fique com o pés atrás com as duas notícias.