Arquivo da categoria: QUALQUER ASSUNTO

Chico denúncia – Médicos desrespeitam lei estadual e saem às ruas de jalecos

Perto de completar um ano, norma ainda não é seguida pela maioria dos profissionais, nem fiscalizada pela Secretaria da Saúde

A Fisioterapeuta Fernanda Rodrigues, antes de sair da clínica que trabalha, retira seu jaleco, guarda em sua bolsa e evita deixá-lo em contato com qualquer outro objeto, muito menos exposto ao ar livre. “Nunca andei de jaleco sem estar  no meu ambiente de trabalho.”  Agora você pode estar se perguntando se isso é realmente necessário. Ninguém sabe se usar trajes próprios de hospitais nas ruas pode mesmo propagar bactérias, mas independente da incerteza, é uma lei estadual.

Desde o dia 8 de junho de 2011, a lei nº 14.466 está em vigor no Estado de São Paulo, proibindo o uso de jalecos, aventais ou qualquer outro tipo de utensílio dos profissionais de saúde nas ruas. O motivo é simples: risco de propagação bacteriana. Um estudo realizado pelas alunas Fernanda Dias e Débora Jukemura em 2010, pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), constatou que 95,83% dos jalecos analisados estavam contaminados por algum tipo de bactéria, inclusive a Staphilococcus aureus, um dos principais agentes causadores de infecção hospitalar. O estudo abriu portas para a discussão da propagação de bactérias através dessas vestimentas, gerando preocupação das áreas relacionadas à saúde pública e ministérios especializados. 

Mesmo sendo lei Estadual, é comum presenciar médicos e enfermeiros em locais públicos trajados com o uniforme de trabalho, desrespeitando essa medida sem nenhum tipo de receio. Isso porque há falhas na fiscalização, que é responsabilidade da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Quando se fala em lei, pensa-se em um órgão fiscalizador e divulgação educacional veiculada em grandes mídias. A lei da proibição dos jalecos apresenta falhas em ambos os casos, não por culpa de quem a criou, mas pelos órgãos responsáveis por colocar em prática essas medidas. Não há material de divulgação na imprensa e nos hospitais, muito menos fiscalização do órgão responsável. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Saúde, eles não fiscalizam essa lei pelo fato dela ainda não estar regulamentada. “Nós não podemos multar pessoas físicas. Essa lei ainda vai passar por uma regulamentação e ser estruturada de acordo com as condições legais”, explicou a assessoria. 
Médicos saem às ruas trajando jalecos, sem serem repreendidos
O deputado Vitor Sapienza (PPS), atual Presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo e autor da lei de proibição dos jalecos, afirma que desde o dia 8 de junho a medida está em vigor e é responsabilidade obrigatória da Secretaria da Saúde fiscalizar e multar os hospitais que não alertam seus funcionários sobre os riscos.  “Todos os hospitais, sem exceção, foram avisados, mas não fazem nada a respeito e a fiscalização é totalmente falha! A minha parte como ministrador eu fiz, agora, precisam corresponder”, questionou o deputado. 

Há uma divergência de opinião quando se fala da proibição dos jalecos nas ruas. Mais da metade dos pacientes comuns acreditam que o jaleco pode ser um transmissor de bactérias e são favoráveis à lei.  Outros se baseiam na falta de embasamento científico comprobatório, inclusive contestado pela Sociedade Brasileira de Infectologia, em comunicado de sua assessoria de imprensa. “Apesar de existir esta lei, não existe nenhuma comprovação científica sobre a transmissão de bactérias através de aventais que são utilizados como uniformes. Não vivemos num ambiente isento de micro-organismos. Todos os locais, inclusive os jalecos possuem bactérias e isto não significa que estes instrumentos transmitam infecções”, comunicou um porta voz.

A grande divergência perante o assunto acontece quando, mesmo com a SBI contestando a medida, alguns médicos assumem os riscos de infecção e evitam usar o jaleco, respeitando a medida estadual, assim como faz a fisioterapeuta Fernanda: ”Essa lei é muito importante, evita disseminação de bactérias hospitalares em restaurantes, por exemplo. Mesmo assim é comum encontrar um médico usando jalecos nesses locais”.

O deputado Vitor Sapienza acredita que entre o comprovado e o mito, prevalece o bom senso, aumentando os parâmetros de discussão da proibição dos jalecos, salientando a falta de educação relacionada à saúde pública no Brasil. “O certo seria disciplinar a entrada de uma pessoa na UTI. Quando você vai a um hospital teria que disciplinar, na pior das hipóteses, que se desinfetem as mãos, coisa que não é feita. Não adianta você só fazer isso nos navios, nas repartições públicas, tem que ser principalmente no hospital. Isso mostra a necessidade da educação em sentido mais amplo”, diz Sapienza.

A solução é supostamente simples: haver um consenso entre Secretaria da Saúde, instituições médicas e sindicatos, com intuito de evitar o uso de jalecos e criar mais polêmicas. Porém, segundo Fernanda, o fator “status” também interfere nesse quesito. “Acredito que andar de jaleco é a mesma coisa que desfilar, como forma de status. Muitos profissionais da saúde fazem isso achando ser um sinônimo de poder”, opina.

Vitor Sapienza também credita a desobediência da lei ao status, mas destaca principalmente o fato de ser uma norma a seguir. “Ninguém gosta de ser policiado. Existe a evidência que há a propagação de bactéria, mas ninguém gosta de ser questionado. Além disso, usam os jalecos nas ruas por status, para mostrar que é médico. Por isso é importante pressionar e exigir que obedeçam a essa norma”, finaliza o deputado.

Falhas na Fiscalização

A Secretaria da Saúde e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), reconhecem que há a possibilidade de infecção hospitalar por bactérias presentes nos jalecos, mas o estudo de regulamentação e ativação da fiscalização anda a passos largos. A assessoria de imprensa da Secretaria da Saúde sequer sabia de existência dessa lei.

O Idealizador da Lei

O deputado Vitor Sapienza, além da criação da lei que proíbe o uso de jalecos nas ruas, é responsável pela lei que obriga a fixação do alerta nos elevadores com os dizeres: “Antes de entrar no elevador, verifique se o mesmo encontra-se parado nesse andar”. Ele também fez a emenda que criou a premiação em dinheiro concedida aos usuários da Nota Fiscal Paulista e a contribuição de solidariedade, que destina parte das despesas cartorárias para as Santas Casas.

Vitor Sapienza

Anúncios

Brasil e seu descaso com a leitura

Tanto se fala no país emergente denominado Brasil. Terra abençoada, regada por fauna e flora distintas, clima peculiarmente invejado, povo receptivo e cultura diversificada. Porém, como os dados da UNESCO mostram, o país ainda sofre com o afastamento da população com a leitura. Sim, a leitura que enriquece a cultura e aproxima o ser humano do desenvolvimento sócio-cultural. Sem dúvida alguma, isso se deve ao baixo estímulo à leitura, reflexo do sistema educacional pífio que vivemos. O citado país emergente, também emerge as contas bancárias de nossos governantes, que em grande maioria são corruptos, acomodados com seu patamar social, pouco investindo em melhorias para os brasileiros. A educação no Brasil é lastimável, não há incentivo, escolas públicas não são capazes de ter uma educação de qualidade, tanto pelo desmerecimento do profissional educador quanto à péssima estrutura criada. O estímulo à leitura deve começar nas escolas, servir de base para a formação estudantil. Ler é aprender, fortalecer intimidade com o idioma e estimular os reflexos sensoriais. Não seria difícil mudar a situação caótica que o Brasil vive. Investir pesado na educação, melhoria das escolas, valorização do trabalho dos professores, campanhas educacionais e o incentivo à leitura seriam os alicerces para a mudança da estatística apresentada. Se toda a população fosse alfabetizada, tivesse acesso à leitura, estímulo e incentivo, o Brasil criaria pessoas destinadas a melhorar o país, enriquecidas pelo saber e com os campos da mente estendidos. Dizem que o Brasil é um “país de todos”, mas nem todo mundo pode comprar um livro que deseja, muito menos ter acesso as novidades literárias. Mesmo que haja interesse, não há comprometimento do Estado para ajudar essas pessoas. Com isso, o brasileiro perde, seja o engravatado no poder ou o menino descalço na favela.

Muamar Kadafi (1942 – 2011)

No último dia 20, o líder líbio Muamar Kadafi foi morto com um tiro na cabeça. O ditador foi encontrado escondido em um cano de drenagem em sua cidade natal, Sirte, ao lado do filho Mutassim que também foi morto. Sirte era o último bastão onde imperava o poder de Kadafi.

Omran el Oweib, comandante das forças revolucionárias disse que seus homens queriam executar Kadafi no exato momento de sua captura mas que ele próprio se mostrou contra, querendo levar o ditador aos braços da justiça. De acordo com o comandante Kadafi chegou a andar cerca de dez passos antes de ser atacado pelos combatentes enfurecidos. Oweib assumiu a responsabilidade pela morte do corpo do coronel Muamar Kadafi já que foram seus homens quem o alvejaram com tiros. Kadafi morriu a caminho do hospital.

Os corpos de Kadafi e seu filho foram levados até a cidade portuária de Misrata, no norte do país, onde foram expostos em um container refrigerado em uma vitrine de um shopping center. Centenas e centenas de pessoas se reuniram para ver pai e filho mortos já em estado de decomposição. Os corpos de Kadafi e Mutassim serão entregados a família do ex-líder líbio.

Especulasse que saif al Islam, outro filho de Kadafi, dado como foragido estava em companhia do pai e do irmão em seu esconderijo no cano de drenagem. Acreditasse que Saif al Islam seria o sucessor do pai. Muamar Kadafi tem oito filhos, alguns foram mortos junto das famílias durante deste ano e outros foram capturados pelas forças revolucionárias.

corpo de Muamar Kadafi

No poder desde a revolução de 1969 o ditador de 69 anos começou a enfrentar a revolta do povo em fevereiro deste ano quando a população mostrou-se motivada após a onda de protestos que derrubaram os presidentes da Tunísia e do Egito. Porém a ação logo se tornou uma guerra civil que contou com a intervençaão da ONU e das forças da Otam. Em 20 de agosto os rebeldes iniciaram a tomada da capital Trípoli enfraquecendo o poder do ditador.

Após cerca de oito meses de conflito estimasse que aproximadamente 20 mil pessoas morreram desde o início da insurreição líbia.

O primeiro-ministro líbio, Mahmoud Jibril disse à rede londrina BBc que gostaria que Kadafi não estivesse morto e que ele gostaria de ter sido o promotor no julgamento do ditador onde ele teria de responder as perguntas do povo. Jibril mostrou-se a favor de uma insvestigação completa sobre a morte de Kadafi assim como deseja a ONU. Jibril vai se retirar de seu cargo como havia prometido e uma governo interino será formado até que as eleições presidencias ocorram em junho do ano que vem. Acreditasse que o processo de democratização da Líbia dure cerca de dois anos.

Vídeo que mostra corpo de Kadafi

O novo Two and a half Men

O texto a seguir é recheado de spoilers. Nele estão as primeiras impressões da nova roupagem dada a série Two and a Half Men que entra em seu nono ano de exibição. Se você ainda não assistiu ao novo episódio que também pode ser visto como um recomeço para a série e não quer quer estragar a surpresa não continue lendo.

Foi ao ar ontem pela CBS o primeiro episódio da nova temporada de Two and a Half Men, intituladao “Nice to meet you, Walden Schmidt”. Este foi entre os 178 episódios exibidos até hoje o primeiro sem a presença de Charlie Sheen, astro da série. Com o passar dos meses todo mundo ficou sabendo da saída de Charlie do seriado deviado a desavenças como o produtor Chuck Lorre, que Ashton Kutcher assumiria seu lugar e que o personagem homônimo de Charlie morreria sob circuntâncias misteriosas em Paris durante sua lua de mel com Rose, personagem de Melanie Lynskey onde Charlie “cai” na linha do trem em um metrô parisiense. O caixão estava fechado o que impossibilitou que as mais ressentidas cuspissem no falecido. De acordo com Rose o corpo de Charlie “explodiu como um balão cheio de carne.” Mas todos sabemos que o caixão estava fechado porque Chuck Lorre não chamaria Charlie Sheen para participar do episódio.

Na cena inicial do velório de Charlie Harper o episódio contou com a participação de várias ex-namoradas do personagem que passaram por sua cama nos últimos 8 anos. Estavam lá atrizes do calibre de Jerry Ryan, Emmanuelle Vangier e Katherine LaNaza. Lisa, personagem marcante na vida de Charlie interpretadas por Denise Richards não estava presente. Denise Richards é ex-esposa de Charlie Sheen e talvez esteja ressentida com chuck Lorre pelo marido, isso se um convite para a participação da atriz realmente aconteceu. O episódio também conta com uma participação relâmpago de John Stamos como um companheiro de noitadas de Charlie. Fica evidente o esforço dos produtores de reunir ao mesmo tempo tantos nomes de peso para alavancar a audiência.

Jerry Ryan

 

Denise Richards & Charlie Sheen

 

O episódio serve para apresentar Ashton Kutcher ao público. Seu personagem, Walden Schmidt, é um bilionário extremamente romântico que teve o coração partido. Walden parece ser uma versão menos miolo molo de Jake e que assim como Charlie consegue mesmo sem querer conquistar as mulheres a sua volta o que deixa Alan a vagar (como sempre) na rua das Palmas nº5.

Ao todo a essência se mantém a mesma: Alan continua sendo um fracassado, Jake só pensa em comida e Evelyn a mesma parasita gananciosa de sempre. Os bermudões, os charutos, os litros de álcool e o humor negro das ironias venenosas de Charlie Harper foram jogado fora para dar espaço a um humor digamos, mais inocente e espalhafatoso no estilo que era Thats’ 70s Show que também contava com a presença de Ashton Kutcher.

O episódio teve a maior audiência da história da série prendendo 27,5 milhões de pessoas diante da tevê. O resultado foi bom, mas vamos ver a quantas essa carruagem vai andar daqui para frente sem a presença de Charlie e suas incontáveis parceiras de booty call.

Uma hora antes da exibição do episódio foi exibido o Central Roast of Charlie Sheen, programa onde o ator foi colocado na berlinda e durante uma hora foi insultado e vitimado por piadas pesadas de outras celebridades. O primeiro episódio da nona temporada de Two and a Half Men já está disponível para download ou pode ser visto pelo Youtube, já Central Roast of Charlie Sheen foi retirado da web.

 

Two and a Half Men – 9ª temp./ep.: 1 – “Nice to meet you, Walden Schmidt”

11/9 – parte 1 (ficção)

 

Vidas cruzadas

O dia começara normal para Ella Carmichael. Despertara junto dos primeiros raios lânguidos da aurora. Tomou um banho, checou a mala de viagens uma última vez e foi para a cozinha preparar o desjejum do marido que  com um sorriso nos lábios partiu para o trabalho no espaçoso carro da família que o casal comprara quando o terceiro filho nascera em 1995.

Ella tinha pressa, precisava embarcar para São Francisco no próximo vôo e por isso deixara os filhos, um casal de gêmeos e um garotinho de seis anos na casa da irmã e do cunhado no dia anterior. Se despedira de cada um dos filhos com um abraço bem apertado, um beijo molhado na bochecha para o qual eles fizeram uma careta e um festival de risadas ao enchê-los de cócegas, pois assim sua culpa em se separar dos pequenos seria menor quando os visse acenando da janela enquanto se distanciava com o carro.

De funilaria branca e resistente e tamanho imponente, o Boing 767 deixou o Aeroporto Internacional de Boston com quinze minutos de atraso às 7h 59min. O vôo 11 da American Airlines levava Ella Carmichael mais 91 pessoas contando a tripulação para São Francisco. O aviso para afivelar os cintos havia se apagado e Ella Carmichael de 43 anos se sentia aliviada. Pediu uma água tônica a comissária de bordo e relaxou em sua poltrona.

Quando eram 8h 16h tudo virou de cabeça para baixo. Cinco homens de complexão corporal forte, feições severas e faces queimadas de sol tomaram conta do vôo 11 e mataram membros da tripulação à facadas.

Mohamed Atta, um homem de cabelos cerrados, rosto quadrado de maxilar saliente e olhos inexpressivos fez as vezes de piloto e mudou o curso do avião para Nova York onde ele e seus companheiros tinham um  único objetivo, manchar a história americana com sangue e terror.

Aterrorizados pelos desalmados agentes da morte, passageiros e o que restara da tripulaçao tinham a triste certeza de um futuro incerto. Materializando-se ao longe, chapado no céu azul daquela quarta-feira, Ella juntamente com todos os outros que estavam no Boing viram as hipnóticas linhas horizantais e verticais, impecáveis em sua concepção se cruzarem com simetria assustadora. Aquela era a Torre Norte do World Trade Center. Às 8h 46min as linhas dos destinos das almas que havia no vôo 11 se cruzaram, mas muito mais firmes e perpétuas do que jamais estivera as linhas do WTC. Uma imensa massa de fogo alimentado pelo medo se formou ao impacto engolindo centenas de vidas e toneladas de metal. O vôo da American Airlines se chocou diretamente contra a Torre Norte do World Trade Center entre os andares 93 e 99. Às 9h 03min um segundo avião sequestrado atingiu a Torre Sul.

Com a perda das 2.996 vidas do dia 11 de setembro de 2001 encerrou-se uma era e uma nova teve início, a era da guerra ao terror.

 

Torre Norte do WTC após impacto com o vôo 11

 

Colisão do segundo avião contra a Torre Sul

 

Mohamed Atta

Chico Louco no Facebook

Agora o Chico Louco também tem uma página no Facebook, tudo para poder compartilhar ainda mais nossas novidades com vocês, assíduos leitores!
Curtam a nossa página e façam parte dessa família.
Pelo Facebook, temos uma oportunidade de aproximar os leitores com os autores do blog, com intuito de ouvir as reclamações, parabenizações e sugestões de todos vocês para sempre melhorar.
Não deixem de comentar, divulgar, compartilhar e o mais importante nesse momento, CURTIR!

Link da pagina: https://www.facebook.com/pages/Chico-Louco/193830393999080

Roger Moore, 20 anos de Unicef

Roger Moore comemora hoje vinte anos como Embaixador da Boa Vontade da Unicef (United Nations Children’s Fund). O comprometimento do astro começou ainda nos anos 80 enquanto participava das gravações de seu sexto filme como James Bond, 007 contra octopussy, onde o ator pôde ver a pobreza de perto nas locações na Índia. Nos anos posteriores o veterano se entregou de corpo e alma para melhorar a situação de milhares de crianças ao redor do mundo, mostrando que não é preciso impunhar uma arma para se fazer o bem a quem se merece.

Sir Roger diz que trabalhar em parceria com a Unicef lhe ensinou uma lição muito importante: humildade. “Eu tenho sido um ator de extremamente sortudo, e a sorte de tudo isso foi que pude vir a trabalhar para a Unicef,” disse Roger. “Eu acho que trabalhar com a UNICEF me ensinou humildade. Eu percebo que quando eu viajava ao redor do mundo como 007 eu não apreciava a forma como a outra metade vive  na verdade, é mais da metade. 

Roger Moore em viagem como Embaixador da Boa Vontade

 

Como embaixador da Boa Vontade Roger percorreu o mundo dando suporte a programas e chamando atenção para as necessidades das crianças ajudando a arrecadar donativos e erguer novas bases para a construção de um futuro melhor para esses pequenos. Roger tem dado voz a problemas como a AIDS direitos renegados e até vítimas de campos minados.Em 2001 ele ajudou a consolidar a parceria entre Unicef e Fifa para um programa de prevensão da AIDS em jovens.

Em 2003 recebeu a German Federal Service Cross por seu empenho contra o tráfico de crianças. Quatro anos depois ele foi honrado com o título de Comandante da Ordem Nacional das Artes Cartas, na França. Em 1999 foi feito Comandante do Ordem do Império Britânico e em 2003 recebeu o título de Sir da Rainha Elizabeth II.

 

Unicef, retrospectiva Roger Moore

Corpo de Amy Winehouse é cremado em Londres

Ao som de  “So far away” da cantora Carole King parentes e amigos se despediram da cantora Amy Winehouse no cemitério de Edgwarebury em Londres onde aconteceu o funeral que durou cerca de 45 minutos. Durante a cerimônia que contou a presença de cerca de 300 pessoas Mitchell, o pai de Amy contou histórias da infância da filha.

Depois do funeral o corpo foi levado para o crematório de Golders Green onde o corpo da cantora foi cremado a seu próprio pedido e suas cinzas postas ao lado das cinzas de sua avó Cynthia, cantora de jazz e grande influência musical na vida de Amy. A cerimônia de despedida da cantora seguiu preceitos judaicos já que Amy provinha de uma família judia tanto por parte de pai como por parte de mãe, mas a cremação vai contra os conceitos judaicos que acreditam que a vida nos é emprestada e precisa ser devolvida, portanto enterrada e não queimada.

Blake Fielder-Civil, ex-marido de Amy que atualmente cumpre pena de 32 meses por roubo se diz chocado com a perda daquela que ele descreve como sendo seu grande amor. A entrada de Blake foi proibida na cerimônia pela família da cantora. O pai de Amy ainda disse: “Seria um completo insulto ele estar lá”.

Segundo Chris Goodman, representante e amigo de Amy, um segurança havia sido destacado para cuidar da cantora e foi ele quem chamou a emergência quando viu que Amy não estava respirando. Depois Goodman diz que o segurança ficou em choque, assim como todos nós.

O laudo médico realizado no corpo de Amy mostrou-se inconclusivo. Ao seja, a causa da morte ainda não é conhecida. Amostras de sangue e tecidos foram colhidos pela polícia para a realização de um exame toxicológico cujo resultado deve sair entre três ou quatro semanas para saber se atriz faleceu em decorrência do usa de drogas.

Amy Winehouse (1983 – 2011)

A cantora Amy Winehouse de 27 anos foi encontrada morta na tarde de hoje em sua casa no bairro de Camden ao norte de Londres. Respondendo a um chamado que dizia haver uma mulher desmaiada na casa duas ambulâncias foram enviadas de Londres até o endereço, mas ao chegarem lá a vítima, Amy, já se encontrava morta.

Ao redor da casa da cantora de soul, R&B e jazz uma orla de fãs foi aos poucos se reunindo, possivelmente superando o número de repórters que havia no local. Enquanto isso o corpo da artista era retirado por dois homens em uma maca coberto por um pano vermelho. A maca foi posta na ambulância e Amy levada para o necrotério de Londres enquanto seu ex- namorado Reg Travvis via a cena de longe. A polícia Metropolitana da capital inglesa diz que as causa da morte de Amy não estão claras e que uma necrópisia em seu corpo deve ser realizada entre domingo e segunda-feira para se descobrir as causas da morte da cantora.

Enquanto a notícia da morte da cantora ainda percorre o mundo em velocidade vertiginosa se espalhando através de sites e redes sociais, aquelas pessoas ainda reunidas em frente a casa de Amy sob o vento frio de um clima nublado e imprevisível se consolam aos abraços e dão seu último adeus em cartas e depoimentos que simbolizam a tristeza profunda não somente de seus corações mas de todos aqueles que ao redor do globo choram a perda daquela que os inspirou como nenhum outro.

 

História e carreira

De radiantes olhos verdes, cabelos tão escuros como azeviche e um sorriso muito largo de grandes dentes brancos, Amy Jade Winehouse nasceu em 14 de setembro de 1983 no bairro de Southgate no subúrbio de Londres filha de um taxista chamado Mitchell Winehouse e de uma farmaceutica, Janis. A família de Amy era judia mas tinha enraizada em sua tradição musical o antigo som hipnotizante do jazz. Quando pequena Amy ouvia seu pai lhe cantar cançoes de Frank Sinatra e foi este o estopim que acenderia uma das maiores vozes do últimos tempos. Amy desenvolveu de tal modo o hábito de cantar que na escola era frequentemente repreendida por não conseguir ficar quieta, mas não por ser uma dessas crianças faladeiras e sim por não conseguir parar de cantar as músicas que desde essa época sopravam de sua alma.

Quando tinha dez anos a garotinha de maria chiqiunha nos cabelos fundou um pequeno grupo de rap chamado Sweet ’n Sour que durou pouco, isso quando já estudava Susi Earnshaw Theatre School pra desenvolver seu talento. Amy frequentou a instituição durante quatro anos mas foi expulsa por pelo que disse a diretoria da escola não se aplicar o bastante e também por ter furado o nariz. Posteriormente Amy frequentou três outras escolas musicais, sendo a última Ashmole School.

Amy quando criança

 

Ainda adolescente Amy começou a escrever canções e ganhou uma guitarra, desse modo ela não precisava mais pegar a do irmão mais velho Alex. Até seus 20 anos Amy gravou músicas, teve uma fita demo mandada por seu namorado na época para A&R, foi ouvida por acidente por Darcus Beese aquele que seria seu futuro representante na própria A&R após um representante do The Lewinson Brothers lhe mostrar uma seleção das produções de seus clientes, e um deles era de Amy. Quando Beese descobriu quem era a dona do vozeirão que chamara sua atenção, Amy já havia gravado diversas músicas para a EMI. Através de contatos ela formou uma parceria com Salaam Remi, produtor de hip hop e mais tarde tecladista de Amy.

Em 2003 Amy lançou seu primeiro álbum “Frankie” que teve grande repurcussão e trouxe bons frutos a sua carreira. Em 2006 Amy lançou seu segundo trabalho o aclamado “Back to Black” que rendeu a cantora cinco prêmios Grammy nas categorias “melhor vocal”, ”melhor performance de uma artista feminina”, ”música do ano”, ”álbum do ano” e ”artista revelação. Com o passar dos anos foi relançado diversas vezes sempre apresentando novas faixas, duas delas e talvez a mais favoritas de Amy sendo “Valerie” e “Monkey Man”, ambas escritas por Mark Ronson.

Em seus dois álbuns as letras das canções de Amy falavam sobre dor e sofrimento, relacionamentos mal sucedidos, alcoolismo, reabilitação e drogas. “Eu passei por uma crise de criação muito longa”, disse Amy em 2007. “E como escritora, sua autoestima é baseada literalmente na última coisa que você escreveu… Eu pensava, ‘o que aconteceu comigo?'”.

“Frankie” e “Back to Black” foram os únicos trabalhos lançados pela cantora, sendo que no segundo deles ela já apresentava o visual pelo qual ficou marcada, muito magra, tatuada, maquiagem em excesso e o cabelo que mais se parecia com uma colmeia de abelhas, uma espécie de caricaturização, mas bastante autêntica, já que Amy nunca abandonou o estilo.

Amy Winehouse sofreu em sua juventude com o horror de ver o pai bater na mãe o que contribuiu para diversos problemas na vida da cantora como bulimia, anorexia e a constante mania de se ferir, tanto que Amy já foi vista diversas vezes com cortes e cicatrizes nos braços.

 

”Príncipe encantado?”

Blake Fielder-Civil foi o grande amor da vida de Amy, na verdade o amor que a cantora sentia por Blake era quase obsessivo, e foi dessa relação que aquela antiga e saudável Amy ficou definitivamente para trás. O prórpio Blake, com quem a cantora se casou admitiu que foi ele que iniciou Amy no mundo das drogas com heroína e crack. Como uma coisa puxa a outra o que não podia faltar era a bebida, e quando a mente está fraca o corpo padece. A obsessão de Amy para com Blake era tamanha que ela chegou a tatuar o nome dele acima do seio esquerdo.

Os problemas de Amy com drogas e álcool começaram a tomar o espaço de suas músicas na mídia, principalmente depois do lançamento de “Back to Black”. Em agosto de 2007 Amy foi hospitalizada supostamente por overdose e no começo de 2008 ela se internou em uma clínica de reabilitação pela primeira vez, mas não chegou a esquentar lugar.

Era frequente ver a artista e o marido farreando na noite londrina, sempre muito bêbados e machucados. Certa vez Amy foi fotografada muito transtornada apenas de sutiã calça jeans.

Em um determinado ponto a relação de Amy e Blake chegou ao fim, mas a separação não durou muito e logo eles voltaram, muitos dizendo que apenas por interesse de Blake. Amy estava cada vez mais magra, mais tatuada e digna de pena. Seus vexames eram a maior alegria dos tabloides, e suas músicas, bem, elas não faziam mais dinheiro que as bebeiras da cantora.

Há cerca de dois anos Blake foi condenado a 27 meses de prisão por ter agredido o dono de um pub que Blake teve a ousadia de tentar subornar com uma quantia de 200 mil libras para que a vítima retirasse a acusação. Resultado: o dono do pub voltou a polícia alegando que seu agressor tentou comprá-lo. Depois de um mês Blake foi solto mas após ser pego portando drogas voltou para a cadeia onde passou a trocar cartas picantes com uma detenta chamada Melissa Goldstone que cumpria pena de dois anos e meio por tráfico de drogas.

“Eu falei de você para Amy e li uma de suas cartas. Ela ficou excitada e quer te conhecer. talvez ela queira escrever para você, pois pediu o seu endereço. Eu não quero que ela saiba de todas as coisas pessoais que eu escrevi para você. Mas você pode dizer que trocamos cartas sacanas, se você quiser. Provavelmente, ela vai querer que você escreva uma para ela também”.

“Estou desesperado para ser o seu primeiro depois de um ano. vamos ter uma noite num hotel em algum lugar onde faremos coisas bem sexys, tá?”

Blake também diz a Melissa que perdoa Amy por ela ter se envolvido com dois homens enquanto ele estava na prisão e diz que terminou tudo com a cantora, mas em outra carta revela a detenta que gostaria de fazer sexo a três: ele, a presidiária e Amy. Blake também pede a Melissa uma foto sua e que talvez a mãe dela possa lhe entregar no presídio, pois ele queria muito ficar olhando e fantasiando com ela.

A novela protagonizada entre Amy e Blake porém estava longe de acabar. Um  companheiro de reclusão do marido da cantora afirmou em juízo que Blake lhe pagaria 20 mil libras para que ele desse uma surra em Pete Doherty, suposto affair de Amy e vocalista da banda Babyshambles.

Nos capítulos seguintes dessa novela Amy e Blake tentaram ter um filho, a cantora contratou um detetive para investigar os passos de Blake, ele afirmou que a salvou de uma overdose com respiração boca a boca e que Amy era maníaca sexual.

Janis, a mãe de Amy nunca aprovou a genro e sempre disse que ele foi a causa da destruição da filha e que ela não se surpreenderia se Amy morresse jovem devido aos excessos de entorpecentes e álcool.

Amy antes e depois da bebida e das drogas

 

Per aspera ad astra

Com problemas com a bebida e drogas Amy era passou a ser vaiada em shows, a imprensa sempre esperando pelo seu próximo deslize, turnês eram canceladas, problemas de saúde era o que não faltava a cantora e quando se apresentava no palco parecia estar em um mundo sõ seu, deixando o público de lado. Muitas vezes se apresentou bêbada e ingeriu álcool durante as apresentações.

No iníco de 2011 Amy fez “fracas” apresentações no Brasil e em maio voltou a se enternar em uma clínica de reabilitação chamada Priory e situada em Londres. Na clínica os médicos deram um ultimato a cantora dizendo que se ela não parasse de beber ela iria morrer. A internação era um tentativa de deixar Amy em forma para sua turnê européia, mas durante sua primeira apresentação na Sérvia Amy foi vaiada por ter aparecido embriagada. Depois do fiasco a turnê foi cancelada.

A última aparição pública de Amy foi na última quarta-feira na The Roundhouse onde ela surgiu de surpresa durante um show da afilhada Dionne Bromfield de 15 anos onde Amy dançou no palco e antes de ir embora pediu aos presentes que comprassem o CD da afilhada.

Quando a notícia da morte de Amy Winehouse começou a circular no dia de ontem muita gente que se pronunciou sobre o assunto disse ter ficado trsite apesar de não terem sido pegas de surpresa, já que a morte da artista já era esperada. Talvez a morte de Amy fosse sim esperada se ela estive internada correndo risco de morte, o que não foi o caso. Na última vez que foi vista com vida Amy apresentava uma aparência mais saudável. A morte de Amy Winehouse não era esperada. Pela cabeça muita gente (inclusive a minha) tal ideia sequer era uma possibilidade, afinal, quem fica pensando na morte de outras pessoas? Bom, algumas pessoas ficam, como foi o caso dos idealizadores do seguinte site: www.whenwillamywinehousedie.com. Para quem ganhasse no bolão o prêmio seria um iPod Touch. Incrível como para algumas pessoas uma vida possa valer tão pouco.

Após sua morte Amy passou a integrar o chamado Clube 27 que tem como mebros outros grandes nomes da músicas que curiosamente também faleceram aos 27 anos de idade. Fazem parte do clube Jimi  Hendrix, Janis Joplin, Jim Morrison e Kurt Cobain. Artista completos e eternizados cujos escândalos de suas vidas foram encobertos pelas areias do tempo, mas jamais o seu talento nato, a sua força intensa de influenciar e criar com a própria dor para que outras pessoas pudessem se realizar. Artistas completos e autênticos que não se importaram de viver no limite, o inverso de muitos outros “artistas” que existem hoje em dia que na realidade não passam de fabricações passageiras movidas pela ganância.

O legado de Amy Winehouse são suas músicas viciantes de letras verdadeiras que poderiam fazer parte da vida de qualquer um, já que no final das contas somos todos humanos. Faz parte da herança daquela menininha sorridente de perficientes olhos cor de jade as portas abertas para novos talentos de vozes roucas e estilos mistos, assim como foi Amy que após efrentar os afiados espinhos da vida subiu para o véu estrelado do céu para ser o que já era no coração de muita gente, uma estrela, um astro, uma eterna constelação.

 

Confira os maiores sucessos de Amy Winehouse

 

Back to Black

 

Rehab

 

You Know I’m not Good

 

Tears Dry on Their Own


Descubra o que matou Angela Scoular

Angela Scoular, atriz britânica de 65 anos que faleceu em 11 de abril deste ano teve o laudo médico revelado hoje. A atriz que era alcoólatra e sofria de depressão ingeriu um líquido desentupidor de pia cuja composição em 91% era de ácido sulfúrico. A atriz sofreu queimaduras em 40% do corpo, na garganta e no trato intestinal e faleceu duas horas depois de ingerir a substância.

Em 1969 Angela Scoular fiz par romântico com George Lazenby em 007 A Serviço Secreto de Sua Majestade baseado na obra homônima de Ian Fleming interpretando o papel de Ruby Bartlett.