Prometheus

Prometeu era o deus que fora banido do Monte Olímpo por Zeus após entregar o dom do fogo para a humanidade. Além de banido, fora aprisionado e condenado a viver eternamente sob o tortuoso martírio de ter seu fígado devorado todos os dias por um abutre. À noite, devido a sua imortalidade, seu orgão se regenerava para que na manhã seguinte a lamúria recomeçasse. Já no Prometheus de Ridley Scott, o deus do cinema toma de volta a mitologia que criou há mais de 30 anos para contar sua origem, porém, será que a chama continuará acessa?

Em Prometheus acompanhamos a nave que dá título ao filme em uma expedição espacial no ano de 2093, cerca de cem anos antes da história do primeiro Alien feito em1979. Tendo como base as teorias de Elizabeth Shaw (Noomi Rapace), os tripulantes estão em busca da origem da humanidade que acreditam ter surgido em algum ponto do espaço.

Quem patrocina a busca é a Weyland Corp. sob a chefia de Madeline Vickers, interpretada por Charlize Theron que desde o início do filme se firma como uma figura opositora à personagem de Noomi Rapace, apaixonada e crédula em sua busca por respostas.

O caso é que, quando se depara com um filme da magnetude de Prometheus, acreditamos realmente estarmos perante um gigante, mas tamanho não é documento. O filme, feito nos moldes do Alien original, tanto em aspectos do roteiro como visuais dá aquela sensação de dejá vù. Um passageiro clandestino à bordo da nave, todo mundo inocente tratando formas de vida pra lá de esquisitas com dentes enormes e o formato clássico de uma vulva como se fossem gatinhos de estimação. A protagonista magricela mas carregada de uma presença sexual que paira no ar sempre com aquela sunguinha branca. Realmente, nada original.

Na verdade, há originalidade em Prometheus, mas isso não quer dizer que ela seja boa. Se nós viemos de onde o filme diz que viemos, é muito mais preferível continuar a viver na dúvida eterna. Fora isso o roteiro é mal desenvolvido, com passagens pouco aprofundadas e repetitivas e cansativas. Por diversas vezes a personagem de Charlize Theron que como sempre rouba a cena, é esquecida para depois de uns 20 minutos aparecer novamente, em uma atuação incrível de um cubo de gelo, o mais frio e belo que jamais existiu.

Charlize Theron quebrando o gelo

No elenco também estão Michael Fassbender como o ciborgue David, outro que rouba a cena fácil; Idris Elba e Guy Pierce. O resto não faz muita diferença, já que os nomes menos conhecidos são sempre os primeiros a morrer.

Em suma, Prometheus é uma promessa furada e estafante que é um balde de água fria para muita gente que esperava ver um legítimo Alien. Sombrio, com a pegada característica de Ridley Scott que ficou de fora de Alien: A Ressureição, o novo capítulo da franquia é só mais um spin off que não será levado em conta por muita gente.

Trailer

Anúncios

Publicado em 17 de junho de 2012, em CRÍTICA - FILMES e marcado como , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: